Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Reação

MPF reage a pedido de Carla Zambelli para suspender vacinação de crianças no Brasil e diz que escândalo em Lucena é caso isolado

Em resposta à deputada federal, o órgão ministerial afirma que a suspensão da campanha de imunização ao público infantil é que colocaria as crianças em risco e não a sua continuidade.

Sede do Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB). (Foto: Walla Santos)

Por

O Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB), órgão responsável por investigar a vacinação contra covid-19 indevida em crianças de Lucena, afirmou que o caso não pode ser usado como justificativa para suspender a campanha de vacinação ao público infantil em nível nacional, o que foi pedido pela deputada federal Carla Zambelli.

A declaração consta em um ofício enviado na noite desta terça-feira (18) ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e que foi assinado pela procuradora regional dos Direitos do Cidadão, Janaína Andrade, e pelo procurador-chefe do MPF-PB, José Guilherme Ferraz.

Para os membros do órgão ministerial, as investigações estão sendo conduzidas com o objetivo "de apurar a responsabilidade individual da pessoa que aplicou os imunizantes, bem como a eventual responsabilidade da gestão pública" e que "a situação em tela configurou um caso isolado, não tendo sido registrado, até o momento, nenhuma outra situação semelhante em municípios paraibanos".

"Em que pese a legítima preocupação da referida parlamentar, julgamos que tal providência não se revela razoável, nem necessária, haja vista que a vacina contra o patógeno pandêmico destinado à essa faixa etária é segura, conforme decisão fundamentada proferida pela própria ANVISA, autoridade sanitária responsável pela aprovação dos imunizantes em território nacional", destaca trecho do ofício.

"Sopesamos que um fato isolado - o qual, repita-se, já se encontra em apuração -, concernente exclusivamente à inobservância dos protocolos de operacionalização da imunização do público infantil em uma única unidade de saúde, não pode ser utilizado como pretexto para justificar a suspensão do curso de toda uma campanha de vacinação, esta, sim, uma medida que, se efetivada, colocaria em risco todo o público-alvo, o qual, há meses, aguardam pelo aludido imunizante", acrescenta o órgão.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Juíza paraibana prima de Ivonete Ludgério é encontrada morta em prédio onde residia, no Pará

Justiça Eleitoral cassa mandatos de vereadores do MDB de Zabelê por abuso de poder com fraude na cota de gênero

Feira de Flores de Holambra acontece em João Pessoa com mais de 200 espécies de plantas a preços populares

João Azevêdo promove 485 servidores da Polícia Civil da Paraíba; confira lista