Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Levantamento

Registros de queimadas na Paraíba aumentam 21% este ano em relação ao ano passado, segundo dados do Inpe

O bioma mais afetado na Paraíba é a Caatinga com 225 casos. O outro que aparece é a Mata Atlântica com 27 ocorrências.

A ação de combate aos focos de incêndios é feito pelo Corpo de Bombeiros. As queimadas aumentaram na Paraíba este ano e a Caatinga é o bioma mais afetado. (Foto: Corpo de Bombeiros)

Por

Os focos de queimadas na Paraíba este ano, até o dia 22 de setembro, aumentou 21% em relação ao mesmo período do ano passado. Foram registrados 252 casos de incêndios (em 2020) e 208 (em 2019) conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O município de Cajazeiras, no Sertão paraibano, é o que mais sofreu com as queimadas, pois se registrou 19 ocorrências. Em seguida aparecem Olho D’Água (18), Piancó (16), Patos (11), Pombal (9) e Santa Terezinha (7). Desses, dois estão atualmente com registro de ocorrências de incêndios há dias.

O bioma mais afetado na Paraíba é a Caatinga com 225 casos. O outro que aparece é a Mata Atlântica com 27 ocorrências. Os dados apurados pelo portal ClickPB, entre as unidades de conservação no âmbito do Estado está o Parque Estadual do Pico do Jabre, com 8 focos, seguido de Parque Estadual Mata do Pau de Ferro (4) e APA de Santa Cruz (2). No âmbito federal, a APA da Barra do Rio Mamanguape teve mais casos com 4, seguido de Arie Manguezais da Foz do Rio Mamanguape (3) e Rebio Guaribas (3).

Conforme o Inpe, os focos de queimadas ocorrem, em quase sua totalidade, por conta da ação do homem, por razões muito variadas: limpeza de pastos, preparo de plantios, desmatamentos, colheita manual de cana-de-açúcar, vandalismo, balões de São João, disputas fundiárias, protestos sociais, entre outros. Em casos de ocorrências de queimadas se deve recorrer ao Bombeiros, Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Ibama, prefeituras e Instituto Florestal.

De acordo com o Inpe, as condições impedem ou prejudicam a detecção das queimadas são frentes de fogo com menos de 30 m; fogo apenas no chão de uma floresta densa, sem afetar a copa das árvores; nuvens cobrindo a região (atenção - nuvens de fumaça não atrapalham!); queimada de pequena duração, ocorrendo entre o horário das imagens disponíveis; fogo em uma encosta de montanha, enquanto que o satélite só observou o outro lado; imprecisão na localização do foco de queima, que no melhor caso é de cerca de 375 m, mas chegando a 6 km.



Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paraíba confirma 709 novos casos de Covid-19 em 24h; total de mortes chega a 3.345 e 148.712 infectados

Reaplicação das provas do concurso para cargo de cirurgião-dentista de Tenório e Campina Grande acontece neste domingo

Quatro Unidades de Pronto Atendimento (UPA) de João Pessoa passarão a atender apenas casos de Covid-19 a partir de segunda-feira

Campanha de Cesta Básica da Cidade Viva doa 50 toneladas de alimentos para famílias na Paraíba