Paraíba

Sem receber piso, professores iniciam greve em Santa Rita e Sindicato diz que servidores estão sendo marginalizados

O piso é a principal reinvidicação da categoria que reclama não ter diálogo com a gestão.

TCE

Obra foi iniciada pela Prefeitura de Santa Rita em 2022, mas está paralisada

Sem receber piso, os professores da cidade de Santa Rita já anunciaram que vão deflagrar greve na próxima terça-feira (5). O Sinfesa (Sindicato dos Funcionários Públicos de Santa Rita) emitiu uma nota reclamando do tratamento que a gestão local vem dando aos profissionais, chegando a dizer que os servidores estão sendo marginalizados pelo poder público.

Na nota, assinada pela direção do Sindicato, otexto afirma que foram “anos buscando o entendimento e a compreensão desta administração em relação aos direitos dos servidores e servidoras deste município, marginalizados por uma postura autoritária do atual prefeito”.

A decisão de entrar em greve foi tomada durante Assembleia Geral realizada nessa quarta-feira (28). Segundo o Sindicato, a gestão não se manifestou sobre os pleitos da categoria.De acordo com o professor José Wamberto de Oliveira, do Sindicato dos Servidores do município (Sinfesa), a decisão pela greve foi tomada em meio a “inércia” do poder público local.

Confira a nota:

Nos causa perplexidade o nível de desfaçatez contido na nota emitida pela gestão municipal em resposta aos desdobramentos do movimento paredista deflagrado por este sindicato nesta quarta-feira (28).

Enfim, o “diálogo”, a “transparência” e a “valorização” chegaram ao servidor santarritense, mesmo que tenha sido em um ano de eleição.

Ora, são anos buscando o entendimento e a compreensão desta administração em relação aos direitos dos servidores e servidoras deste município, marginalizados por uma postura autoritária do atual prefeito, que desmantelou nossas carreiras depois de anos de luta pela valorização profissional, tão sonhada por cada um de nós.

O texto da gestão fala na concessão de diretos e cita episódios como o dos 33,34% concedidos pelo MEC em 2022, quando desmantelou nossas carreiras, praticando um verdadeiro desmonte na Educação do município.

Quanto aos 14,95% concedidos em 2023, a gestão municipal contemplou apenas os dois primeiros níveis de progressão, deixando de fora praticamente toda categoria dos professores, que amargam prejuízo imensurável nesses anos do atual governo.

Santa Rita, que um dia ocupou o lugar de um dos municípios da Paraíba que melhor pagava aos profissionais da educação, hoje amarga a realidade de um plano de carreira totalmente destruído, o que causa uma perda de poder aquisitivo irrecuperável para os servidores.

A postura do SINFESA será a mesma desses mais de 20 anos de luta: o direito do servidor estará sempre em primeiro lugar, à frente de interesses particulares ou de ideologias e posturas e pensamentos políticos. O servidor sempre será o norte deste sindicato.

Ao prefeito e à sua equipe, estamos e estaremos sempre dispostos ao diálogo e ao que for melhor para a nossa categoria.

Nosso movimento grevista segue, de acordo com o plano estabelecido pela base até que nossas pautas sejam discutidas com a gestão municipal.

A direção.

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Prefeitura de Aguiar gasta R$ 175 mil com dois shows para festa de ‘João Pedro’

2

Paraíba

Operação policial apreende armas de fogo e prende sete suspeitos de integrar facções criminosas em Patos

3

Paraíba

Polícia Civil prende homem com armas de fogo, munições e celulares sem nota fiscal em Juazeirinho

4

Paraíba

Especialista explica como ficou ‘lei das saidinhas’ após mudanças no governo Lula

5

Paraíba

João Pessoa tem oficina gratuita para ajudar contribuinte a declarar Imposto de Renda; veja como participar