Novidade

Sexta Turma do STJ rejeita recurso e mantém Padre Egídio preso em João Pessoa

Conforme apurou o ClickPB, o recurso foi movido após uma outra decisão do STJ que, assinada pelo ministro Teodoro Silva, que negou o habeas corpus ao padre Egídio de Carvalho.

Padre Egídio não participa de audiência de instrução do Caso Padre Zé; saiba o porquê

Padre Egídio está preso desde novembro de 2023 (foto: reprodução/redes sociais).

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o recurso movido pela defesa do padre Egídio de Carvalho para que houvesse relaxamento na prisão do religioso, que se encontra atrás das grades desde o ano passado, em João Pessoa.

Conforme apurou o ClickPB, o recurso foi movido após uma outra decisão do STJ, assinada pelo ministro Teodoro Silva, que negou o habeas corpus a Egídio de Carvalho.

A reportagem apurou que a nova decisão saiu às 23h59 de ontem (26) (confira detalhes no fim da matéria).

Como trouxe o ClickPB no fim de janeiro deste ano, a defesa do pároco já havia entrado com um pedido na justiça da Paraíba para que ocorresse relaxamento da prisão, o que também foi negado pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJPB).

Padre Egídio é acusado de comandar esquema de desvio de recursos no Hospital Padre Zé.
Padre Egídio é acusado de comandar esquema de desvio de recursos no Hospital Padre Zé (foto: Joaquim Neto).

Egídio de Carvalho Neto, é acusado de comandar um esquema de desvios de recursos no Hospital Padre Zé, em João Pessoa.

O esquema teria o auxílio de ao menos duas outras pessoas ligadas diretamente a Egídio: a ex-diretora administrativa do Hospital Padre Zé, Jannyne Dantas e a ex-tesoureira da unidade de saúde, Amanda Duarte.

Atualmente, Egídio e Jannyne cumprem prisão em regime fechado, em presídios em João Pessoa, já Amanda está cumprindo pena em regime domiciliar, pois está em período de amamentação da filha recém-nascida.

Padre Egídio alvo de operação

A prisão de Padre Egídio ocorreu após operação do Gaeco, em 17 de novembro de 2023, por meio da operação ‘Indignus’, realizada de forma conjunta entre o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado –(Gaeco) do Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB), Polícia Militar da Paraíba e pela Polícia Civil da Paraíba.

Conforme acompanhou o ClickPB, a operação teve como objetivo apurar os fatos que indicam possíveis condutas criminosas ocorridas no âmbito do Instituto São José, do Hospital Padre Zé e da Ação Social Arquidiocesana (ASA).

Segundo as investigações, há indícios de desvios de recursos públicos destinados a fins específicos, por meio da falsificação de documentos e pagamento de propinas a funcionários vinculados às referidas entidades.

Valor dos desvios do Padre Egídio

Ao longo de pouco mais de 10 anos, os desvios no Hospital Padre Zé e na ASA teriam chegado a mais de R$ 140 milhões, conforme aponta até o momento as investigações da força-tarefa.

O suposto esquema montado pelo padre Egídio teria bancado desde vinhos no valor de R$ 1,500 à imóveis de luxo na beira-mar de João Pessoa.

Nova decisão referente ao padre Egídio consta no site do STJ.
Nova decisão referente ao padre Egídio consta no site do STJ (foto: reprodução).

LEIA MAIS SOBRE O ESCÃNDALO ENVOLVENDO O PADRE EGÍDIO: 

 

*conteúdo publicado às 10h51. 

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Sine-PB inicia semana com mais de 430 vagas de emprego em dez municípios paraibanos; confira quais

2

Paraíba

Após entrevista viralizar, Ronaldinho diz que seleção não tem líderes e detona: ‘Um dos piores times, só jogadores medianos’

3

Paraíba

Motorista sofre tentativa de assalto e carro é alvejado no Geisel

4

Paraíba

Inmet renova aviso laranja de acumulado de chuva para João Pessoa e Defesa Civil fica em alerta

5

Paraíba

Morre o motorista de caminhão que pegou fogo na BR-101 em Mamanguape