Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Fim dos tempos

Vítima de injúria racial em agência bancária de João Pessoa diz que vai processar agressora: "quero ver ela provar que sou bandido"

No vídeo em que o ClickPB teve acesso, Daniel relata que estava no local para fazer um depósito e se deparou com a mulher questionando um dos funcionários do banco, após visualizar um cartaz de publicidade da empresa.

Daniel ainda explicou que já fez todos os procedimentos legais. A mulher poderá responder por injúria racial e difamação. (Foto: reprodução)

Por

O caso de injúria racial que chocou a todos na manhã desta quarta-feira (14) ganhou um novo episódio. A vítima, o trabalhador Daniel de Lima gravou um vídeo em que relata a agressão e fala das providências que tomou após a cena explícita de injúria racial, ocorrida dentro da agência do Banco do Brasil Tambaú, em João Pessoa. 

No vídeo em que o ClickPB teve acesso, Daniel relata que estava no local para fazer um depósito e se deparou com a mulher questionando um dos funcionários do banco, após visualizar um cartaz de publicidade da empresa. "Ela abordou um funcionário do banco perguntando o porque de um negro fazendo a propaganda. Aí eu perguntei, não entendi senhora, e ela começou a me chamar de negro bandido, ladrão e outras coisas mais. Fico muito triste por ela", relatou.

Daniel ainda explicou que já fez todos os procedimentos legais, "quero ver ela provar que sou bandido", criticou. 

 A mulher poderá responder por injúria racial e difamação. O crime de injúria racial está previsto no artigo 140, parágrafo 3º do Código Penal e ocorre quando o autor ofende a dignidade ou o decoro utilizando elementos de ‘raça’, cor, etnia, religião, condições de pessoas idosas e portadores de deficiência.

O episódio chamou atenção de clientes que acionaram a polícia. No local, a mulher permaneceu ofendendo Daniel e os demais clientes do local.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Secretaria de Saúde realiza busca ativa para aplicação de vacinas nesta terça-feira, em Campina Grande

Prefeitura vacina público com segunda dose das vacinas Astrazeneca e Coronavac nesta terça-feira

Prefeito de Cajazeiras, José Aldemir, tira licença de 15 dias para tratamento contra a Covid-19

Em ritmo de quadrilha junina, paciente que se recuperou da Covid-19 recebe alta em Hospital de Cajazeiras