Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

Briga

Após desentendimento, sessão da Câmara Municipal de Cacimbas termina em confusão, agressões, pancadaria e porta de vidro quebrada

O chefe de gabinete da Câmara foi agredido e uma porta de vidro se quebrou depois de ele ser arremessado contra ela.

Por

A sessão da Câmara Municipal de Cacimbas, no Sertão paraibano, teve briga, agressão física e precisou da presença da polícia para continuar nesse domingo (20). Em determinado momento da sessão, um popular que estava assistindo a votação levantou-se e agrediu o chefe gabinete da Câmara, José Clênio, que acabou chocando-se contra uma porta de vidro, que se quebrou.

O agressor foi identificado como José Arruda, marido da vereadora Feliciana Arruda. De acordo com José Clênio, o suspeito tentou por diversas vezes tumultuar a sessão porque queria que o projeto relacionado a melhorias para os professores municipais fosse votado primeiro. Os vereadores, porém, precisavam aprovar a Lei de diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA) antes disso.

Outra questão, segundo José Clênio, foi que a vereadora Feliciana Arruda não quis votar no início da sessão pois afirmava não fazer parte da comissão que deveria emitir o parecer, mas o chefe de gabinete disse que ela era sim integrante da comissão. Quando ela resolveu votar, o funcionário retrucou ''Agora já é? (parte da comissão)''. A brincadeira teria irritado a vereadora e o marido, que partiu para a agressão.

Com a confusão, o presidente da Câmara, José Pereira, precisou suspender a sessão por 20 minutos e acionar a polícia. A sessão ainda foi suspensa por mais 20 minutos antes de ser retomada. ''Poderia ter deixado para outro dia, mas pensei nos professores que têm ido a minha casa todos os dias pedir para votar o projeto'', disse José Pereira. O projeto foi aprovado por unanimidade.

Quando a polícia chegou, o suspeito da agressão não estava mais no local. O funcionário afirmou que não pretende representar contra ele pela agressão sofrida, mas que a Câmara deve fazer uma representação para a reparação dos danos, inclusive da porta de vidro quebrada.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Em tratamento contra a Covid-19, ministro da Saúde é internado em Brasília

Desembargador mantém bloqueio de bens e uso de tornozeleira eletrônica de denunciados na Operação Calvário

Confira a agenda dos candidatos à Prefeitura de Campina Grande nesta sexta-feira

Presidente do Podemos em Bayeux protocola pedido de cassação contra prefeita Luciene de Fofinho