Câmara

Deputados fazem esforço concentrado e reforma tributária pode ser votada até sexta-feira

O relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), apresentou parecer preliminar em que propõe a substituição de cinco tributos.

Deputados fazem esforço concentrado e reforma tributária pode ser votada até sexta-feira

Deputados analisam propostas no Plenário — Foto:MyKe Sena/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados estará bem movimentada esta semana. A promessa é de um esforço concentrado para votar arcabouço fiscal, Carf e reforma tributária. Esta última proposta pode ser votada até sexta-feira (7). O presidente da Casa, Arthur Lira afirmou que as pautas econômicas foram negociadas com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“Conversei hoje com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para acertamos os temas econômicos que a Câmara dos Deputados vai apreciar semana que vem. Reforma tributária, Carf e arcabouço fiscal estão na pauta que queremos aprovar”, disse Lira em publicação no Twitter na sexta-feira (30).

O relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), apresentou parecer preliminar em que propõe a substituição de cinco tributos (IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS) por uma Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), gerida pela União, e um Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), gerido por estados e municípios.
O texto está sendo negociado com os atores políticos e já foi alvo de críticas de secretários de Fazenda dos estados.

Arcabouço fiscal

O arcabouço fiscal, principal proposta econômica do governo, também voltará à pauta após alterações feitas pelo Senado. Os senadores incluíram três novas despesas na lista de itens que não serão afetados pela meta de crescimento dos gastos: o Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF), a complementação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e as despesas com ciência, tecnologia e inovação.

Outra alteração permite que o governo use uma estimativa de inflação anual para ampliar o seu limite de gastos ainda na fase de elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA). O relator, deputado Claudio Cajado (PP-BA), vai analisar se a Câmara deve ou não concordar com as emendas do Senado, que permitem a ampliação dos gastos do governo nos próximos anos.

O arcabouço fiscal estabelece o regime fiscal sustentável, baseado na busca de equilíbrio entre arrecadação e despesas. Os gastos serão condicionados ao cumprimento de metas de resultado. Trata-se da regra fiscal que vai substituir o antigo teto de gastos públicos.

COMPARTILHE

Bombando em Política

1

Política

PSB anuncia hoje pré-candidatos a vereadores em João Pessoa

2

Política

Camila Toscano crava para maio lançamento do candidato de situação à Prefeitura de Guarabira

3

Política

Sargento Neto diz que Bruno Cunha Lima é cercado de “amigos da onça” e afirma que prefeito irá fazer nova troca de secretários

4

Política

Secretária executiva de Educação viaja e ‘dá bolo’ em convocação para Assembleia Legislativa

5

Política

Deputado Júnior Araújo diz que é alvo de perseguição em Cajazeiras e revela suposta lista de demissões