Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

Na tribuna

Estela Bezerra se defende de acusações de que seria suspeita na Operação Calvário

Estela afirmou que está disposta a colaborar com as investigações e colocou à disposição os seus sigilos bancário, patrimonial e telefônico.

Deputada usou a tribuna da ALPB para se defender (Foto: Walla Santos/ClickPB/Arquivo)

Por

A deputada estadual Estela Bezerra se disse surpresa com as acusações de ser suspeita na Operação Calvário. “Faz-se ilação sobre possíveis envolvimentos meus com organizações criminosas”, disse ela na tribuna da Assembleia Legislativa da Paraíba na manhã desta quarta-feira (16). Estela afirmou que está disposta a colaborar com as investigações e colocou à disposição os seus sigilos bancário, patrimonial e telefônico.

“Estou apresentando uma petição junto ao Ministério Público estadual e ao Tribunal de Justiça para que isso seja feito o mais rápido possível. Eu tenho pressa. Eu tenho endereço fixo. Não tenho nada a temer nem a esconder da justiça nem do povo paraibano”, disse.

“Eu quero apuração imediata, porque o que está em jogo é a minha imagem, a minha reputação e o respeito das pessoas que confiaram em mim”, completou Estela.

Ela destacou que precisa saber do que é acusada. “Sobre mim, deveria pesar a presunção de inocência, como a qualquer cidadão no Estado de Direito. O processo tem rito e precisa inquirir antes de acusar. O resultado disso é um processo inquisitório que condena antes de ouvir. Preciso ter o conhecimento sobre do que sou acusada. Aquela peça é muito grave por que ela condena inclusive o que não e crime. Seria crime eu, que não tenho caneta, indicar qualquer pessoa para ocupar um cargo de confiança?”, argumentou.

Indignada, Estela afirmou que não se pode tratar um agente público ou qualquer cidadão da maneira como ela está sendo tratada.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Reforma do Tribunal de Justiça deve começar em fevereiro e primeira etapa vai custar R$ 2,3 milhões

Com incerteza sobre viabilidade, Bolsonaro lança partido com forte apelo religioso

MBL pede impeachment de Toffoli ao Senado

Fernando Pimentel, do PT, é condenado a 10 anos de prisão por tráfico de influência e lavagem