Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

Recurso

Ministro do TSE mantém direitos políticos de Ricardo Coutinho e fixa multa de R$ 70 mil para ex-governador por contratações irregulares

O julgamento do recurso ocorreu nessa terça-feira (25) mas foi interrompido após o voto do relator porque um ministro pediu vistas.

Ex-governador pode ter que pagar multa de R$ 70 mil (Foto: Walla Santos/ClickPB)

Por

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Og Fernandes, relator do recurso movido pela Coligação ''A Vontade do Povo'' contra Ricardo Coutinho e Lígia Feliciano, decidiu aumentar a multa imposta a ambos. Pelo voto do relator, proferido em julgamento que ocorreu nessa terça-feira (25), Ricardo Coutinho deve pagar multa de R$ 70 mil, quanto Lígia deverá pagar R$ 5.320,50. O julgamento foi interrompido quando o ministro Luis Felipe Salomão pediu vistas.

Por enquanto apenas o relator votou. Além de aumentar as multas, o relator também votou pela não cassação de ambos, uma vez que os mandatos políticos deles já foram exauridos. Para aumentar a multa, Og Fernandes justificou que o governador havia declarado patrimônio de R$ 1,4 milhões, por isso teria condições de arcar com o valor maior.

O recurso aponta uma série de possíveis irregularidades cometidas por Ricardo Coutinho quando era governador do Estado, como grandes mudanças dos ocupantes de cargos em comissão e contratações em períodos vedados. A coligação ''A Vontade do Povo'' argumenta que os atos do então governador teriam impactado no resultado das eleições.

O relator afirmou descartou indícios de abuso de poder em boa parte das situações elencadas, mas considerou que Ricardo Coutinho teve conduta reprovável quando contratou funcionários para trabalhar em uma obra em período vedado.

O julgamento será retomado e outros integrantes da corte ainda vão preferir os seus votos.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

STJ nega retirada de tornozeleira de Cláudia Veras e revoga apenas recolhimento domiciliar noturno

Pré-candidato ao Senado, Efraim Filho diz que está confiante para obter o apoio de João Azevêdo nas eleições em 2022

Cabo Gilberto mantém intenção de disputar o governo em 2022, mas ainda procura apoio da "ala conservadora" na Paraíba

Saiba como votaram os deputados paraibanos na MP que institui o Auxílio Brasil; programa vai substituir o Bolsa Família