Dinheiro Público

Prefeito de Nova Palmeira recebeu R$ 5.400 em diárias para “descer até o chão” na Marcha dos Prefeitos em BSB

O prefeito publicou em seu Instagram as imagens e na legenda dizia: “teve dancinha sim”.

Prefeito de Nova Palmeira recebeu R$ 5.400 em diárias para “descer até o chão” na Marcha dos Prefeitos em BSB

Prefeito mostra todo o seu gingado em Brasília — Foto:Reprodução/Redes sociais

O prefeito de Nova Palmeira, Ailton Gomes Medeiros, embarcou na última segunda-feira (27) de março, com destino a Brasília para participar da 24ª edição da Marcha dos Prefeitos. Mas além de participar desse evento, parece que o gestor se divertiu bastante na cidade de Brasília. Medeiros foi filmado fazendo uma exibição de dança “descendo até o chão”.

Isso não seria um problema se toda essa diversão não tivesse sido custeada com dinheiro Público. O prefeito recebeu o valor de  R$ 5.400 só em diárias. O show aconteceu em um jantar oferecido pelo senador Efraim Filho (União Brasil). 

O prefeito não foi sozinho. José Elanio da Costa Lima e Maíra Vitória dos Santos Macedo também receberam R$ 2700 em diárias cada um pela mesma viagem.

 Confira as imagens:

A cantora que se apresentava na hora da performance do prefeito o encorajou. “E o Ailton vai colar o bumbum no chão. Cola o bumbum no chão, cola o bumbum no chão”, dizia a cantora que se apresentava no evento. O prefeito publicou em seu Instagram as imagens e na legenda dizia: “teve dancinha sim”.

A despesa está no Portal da Transparência da cidade.

COMPARTILHE

Bombando em Política

1

Política

Acre tem 17 municípios em situação de emergência por causa da chuva

2

Política

Prefeitura de Água Branca vira alvo do Ministério Público por contratar MEIs no lugar de servidores

3

Política

TRE-PB multa em R$ 50 mil candidatos a prefeito e vice de Sapé por realização de evento com aglomeração durante pandemia

4

Política

Ronaldo Guerra diz que prefeito Emerson Panta pediu comando do PSB em Santa Rita e ofereceu vaga de vice na chapa em 2024

5

Política

Polícia Federal avalia que, ao pedir anistia, Bolsonaro reconheceu crimes