Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

Eleição 2022

Ricardo Coutinho recorre ao STF para reverter decisão que o tornou inelegível

Os processos são referentes às Eleições de 2014, quando Ricardo Coutinho foi candidato à reeleição para o cargo de governador.

Ricardo Coutinho recorre ao STF para poder disputar eleições de 2022. (Foto: Walla Santos)

Por

O ex-governador Ricardo Coutinho (PT) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reverter a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o tornou inelegível por abuso de poder político com viés econômico nas eleições de 2014. A inelegibilidade é de oito anos e a decisão saiu às vésperas das eleições de 2020. Coutinho pretende disputar às eleições deste ano. 

Esse processo diz respeito a condenação referente a pena de inelegibilidade por 8 anos nos termos do artigo 22 da lei complementar 64/1960 quando Coutinho foi condenado por abuso de poder político com viés econômico praticado no âmbito do Empreender Paraíba. Além disso, ele ainda recebeu uma multa de R$ 60 mil supostamente em virtude da prática de conduta vedada consubstanciada na distribuição de kits escolares com propaganda institucional. 

Em 10 de outubro de 2020, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgou três Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes) contra o ex-governador da Paraíba que na época estava como candidato a prefeito de João Pessoa. Os processos são referentes às Eleições de 2014, quando Ricardo Coutinho foi candidato à reeleição para o cargo de governador.

De acordo com a proclamação do resultado dos recursos julgados pelo TSE, Ricardo tornava-se inelegível por oito anos. Na época faltava apenas cinco dias para o primeiro turno das eleições municipais. Os ministros da corte eleitoral decidiram que a inelegibilidade tenha imediata produção de efeitos, independente da produção de acórdãos. Ao todo, foram seis votos pela inelegibilidade e apenas um voto divergente, que foi do ministro Sérgio Banhos.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Cícero Lucena é cortejado para assumir PDT na Paraíba e filiação do prefeito será discutida em reunião, diz presidente

Efraim Filho diz que recebeu emissários do Republicanos com pedidos para que volte à base, mas não garante que irá atender pleito de aliados

Nude: vereador Cipó, de Ingá, vaza foto íntima em grupo de WhatsApp e diz que foi alvo de brincadeira 'dos meninos'

Grupo de vereadores denuncia prejuízo ao debate da LDO com prédio da Câmara de Santa Rita interditado para obra com licitação de R$ 1,3 milhão