Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Política

Política - Últimas Notícias do Mundo Político | ClickPB ir para editoria →

"Mito"

Se Plano Real fosse tão extraordinário, PSDB não perderia quatro eleições, diz Guedes

Ao apresentar planos do Ministério da Economia, ele prometeu que, em 90 dias, o governo fará três ou quatro privatizações.

O ministro também sustentou a ideia de um imposto similar à extinta CPMF como forma de ampliar a base de arrecadação do governo. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) disse, na noite de domingo (5), ser um mito que o Plano Real foi o "melhor do mundo" e que, por isso, o PSDB não se manteve no governo. "Se o plano fosse tão extraordinário, eles não perdiam quatro eleições seguidas", afirmou em entrevista à CNN Brasil.
Para o ministro, o PT assumiu o poder -e venceu os quatro pleitos- porque o Brasil viveu uma época de desemprego e juros altos.

Na avaliação de Guedes, o Plano Real foi satisfatório na questão monetária, mas deficiente na questão cambial e fiscal. Num paralelo à necessidade de o Plano Real combater a hiperinflação, ele foi questionado qual seria o principal problema a ser combatido atualmente. Guedes respondeu que "não existe essa bala de prata". "Cada hora, a guerra é num front de aperfeiçoamento".

Ao apresentar planos do Ministério da Economia, ele prometeu que, em 90 dias, o governo fará três ou quatro privatizações, sem detalhar quais seriam as estatais.
O ministro reconheceu que o plano de privatizações não está como esperado. "Elas [as privatizações] não andaram num ritmo satisfatório". 

Na ideia de uma ampla privatização, ele declarou que os Correios e subsidiárias da Caixa estão na lista - até o fim do governo. Traçando um cenário para 2020, Guedes disse acreditar que o Congresso aprovará até dezembro uma reformulação do sistema tributário. "Acho que vamos aprovar uma reforma tributária nesse ano".
O projeto de mudanças no regime de impostos deverá incluir a taxação sobre dividendos, hoje isentos.

O ministro também sustentou a ideia de um imposto similar à extinta CPMF como forma de ampliar a base de arrecadação do governo, para taxar transações financeiras. Com isso, segundo o plano apresentado por ele, seria possível reduzir os encargos sobre a contratação de empregados.

"Nosso programa é de substituição tributária. Não queremos aumentar [a carga tributária]. Não podemos reduzir, num momento como esse", ressaltou Guedes.
Na entrevista, o ministro também defendeu a proposta, em estudo pelo governo, de reformulação do Bolsa Família. O objetivo é ampliar a cobertura, para que informais tenham direito à assistência social, com recursos de outros programas sociais.

Guedes afirmou que o principal foco da equipe econômica atualmente é a formulação de medidas para combater o desemprego no país. Para isso, ele acredita ser necessário reduzir os custos para empresários contratarem funcionários, por exemplo, com a desoneração da folha de pagamento.



Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Ricardo Coutinho vai à Penitenciária Média de Mangabeira para retirar tornozeleira eletrônica após conseguir liminar no STF

Guga de Jaguaribe, Milanez Neto e Mário da Cruz são os mais lembrados em enquete no Arapuan Verdade para disputa de vereador em João Pessoa

Em Live, Ruy Carneiro apresenta projeto para implantar um Centro de Especialidades Médicas em cada distrito de João Pessoa

Câmara de Bayeux lança ainda hoje edital para eleição indireta para o cargo de prefeito na cidade