Padre Zé

URGENTE: Padre Egídio tenta ‘embaralhar’ investigação e fica em silêncio durante audiência no Gaeco

No início de outubro foi deflagrada a operação Indignus após virem à tona denúncias de um esquema de furtos e desvios das doações recebidos pelo Hospital Padre Zé.

URGENTE: Padre Egídio tenta ‘embaralhar’ investigação e fica em silêncio durante audiência no Gaeco

O padre Egídio havia pedido, com insistência, uma audiência para prestar depoimento ao Gaeco — Foto:Reprodução

Após insistir em prestar depoimento ao Gaeco, o Padre Egídio de Carvalho compareceu à sede do órgão, mas ficou somente calado na manhã desta quarta-feira (1º). Seguindo as orientações de sua defesa, que é comandada pelo advogado Sheyner Asfora, o padre Egídio compareceu à sede do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público (Gaeco), no centro de João Pessoa, para uma audiência, mas permaneceu em silêncio.

Como acompanhou o ClickPB, o padre Egídio havia pedido, com insistência, uma audiência para prestar depoimento ao Gaeco. O religioso chegou a usar veículos de comunicação e canais da internet demonstrando a intenção de explicar sua versão dos fatos ao Gaeco. Porém, quando é chamado para falar o que deseja, decide optar pelo silêncio, numa clara estratégia para tumultuar a investigação.

No início de outubro o padre Egídio chegou a comparecer à sede do Gaeco acompanhado de seus advogados manifestando a intenção de prestar depoimento. No entanto, na época não foi recebido, conforme acompanhou o ClickPB, já que sequer havia se comunicado com a equipe do Gaeco sobre a sua intenção.

No início de outubro foi deflagrada a operação Indignus após virem à tona denúncias de um esquema de furtos e desvios das doações e recursos públicos recebidos pelo Hospital Padre Zé. A unidade de saúde, localizada em João Pessoa, era dirigida pelo padre Egídio.

Ainda no mês de setembro o padre Egídio foi afastado da direção do Hospital Padre Zé pela Arquidiocese da Paraíba. Uma nova equipe foi designada para comandar a unidade de saúde e determinou, inclusive, a realização de auditorias.

Como acompanhou o ClickPB, a Arquidiocese revelou que o padre Egídio havia contraído o valor de R$ 13 milhões em empréstimos em nome do Hospital Padre Zé. A destinação deste dinheiro ainda não foi revelada.

A principal suspeita é de que o padre Egídio desviava o dinheiro da instituição para benefício próprio.

A Operação Indignus cumpriu mandados em dez imóveis que seriam do padre Egídio, dentre eles uma granja na cidade de Conde e apartamentos em prédios de luxo na orla de João Pessoa.  Como trouxe o ClickPB, os investigadores encontraram nos locais muito luxo e itens de ostentação. Os imóveis eram equipados com lustres e projetos de iluminação requintados. Também chamou atenção que na granja havia móveis rústicos de madeira avaliados em R$ 3 milhões, além de 30 cães da raça Lulu da Pomerânia. Uma pesquisa do ClickPB revelou que um cão desta raça pode ser comercializado por até R$ 10 mil.

COMPARTILHE

Bombando em Política

1

Política

Hugo Motta careca? Deputado surpreende e surge de “cabelo raspadinho”; saiba o motivo

2

Política

STF inicia discussão sobre pensão para filha trans de militar

3

Política

Ao lado de Bolsonaro, Walber Virgolino oficializa pré-candidatura à Prefeitura de Cabedelo: “devidamente lançada”

4

Política

Bolsonaro percorre ruas de Cabedelo em carro aberto e visita mercado municipal

5

Política

VÍDEO: Bolsonaro recebe títulos de cidadão paraibano e cidadão pessoense em sessão na Assembleia Legislativa