Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Religião

Editoria sobre Religião ir para editoria →

Declaração

'Não se trata de operação militar, e sim de guerra que semeia morte', diz Papa Francisco sobre invasão da Ucrânia

Na Rússia, é proibido se referir aos acontecimentos na Ucrânia como uma guerra.

Francisco pediu a instauração de "verdadeiros corredores humanitários" para ajudar a população. (Foto: Reprodução)

Por

O Papa Francisco lamentou neste domingo (6) os "rios de sangue e de lágrimas" que correm na Ucrânia e pediu a instauração de corredores humanitários para a população civil.

"Na Ucrânia correm rios de sangue e lágrimas, não se trata apenas de uma operação militar, e sim de uma guerra que semeia morte, destruição e miséria", disse o papa depois da oração do Angelus.

Na Rússia, é proibido se referir aos acontecimentos na Ucrânia como uma guerra. Nesta sexta-feira (4), isso passou a ser crime, com punição de até 15 anos de prisão.

Francisco pediu a instauração de "verdadeiros corredores humanitários" para ajudar a população.

"As vítimas são cada vez mais numerosas, assim como as pessoas em fuga, em particular mães com seus filhos. A necessidade de ajuda humanitária neste país martirizado aumenta a cada hora de uma forma dramática", afirmou o pontífice.

Entre os fiéis presentes na praça de São Pedro para seguir a oração do Angelus, vários estavam com bandeiras da Ucrânia.

"Faço um apelo do fundo do coração para que sejam instaurados verdadeiros corredores humanitários, e que isto seja uma garantia e se facilite o acesso da ajuda às zonas cercadas para dar um alívio aos nossos irmãos e irmãs oprimidos pelas bombas e pelo medo", disse Francisco.

O papa defendeu o fim dos ataques e a retomada das negociações, do senso comum e o respeito ao direito internacional.

Também agradeceu aos jornalistas que "colocam suas vidas em perigo" para informar ao mundo sobre os acontecimentos na Ucrânia.


 

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Papa Francisco recebe cocar de bispos do Amazonas

Trabalho sem salário justo é escravidão, diz Papa

Papa Francisco não vai celebrar missa de Corpus Christi por causa de dor no joelho

Papa Francisco demite padre investigado por pornografia com adolescente no interior de São Paulo