Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Pandemia

Anvisa revoga autorização de medicamento contra Covid

Isso porque a ômicron já é predominante no país, sendo responsável por 96,16% das amostras sequenciadas, segundo Our World in Data.

A agência reguladora esclareceu que está autorizado somente o uso dos estoques remanescentes da pesquisa clínica ou importados antes dessa revogação, exclusivamente para os pacientes com Covid-19. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — A Diretoria Colegiada da Anvisa revogou a autorização de uso emergencial da associação dos anticorpos monoclonais banlanivimabe e etesevimabe contra a Covid-19. A decisão ocorreu nesta sexta-feira (4).

A agência reguladora solicitou que a empresa apresentasse dados de eficácia do medicamento contra a variante ômicron que subsidiassem a manutenção da autorização de uso emergencial do medicamento para o tratamento da Covid-19.

Isso porque a ômicron já é predominante no país, sendo responsável por 96,16% das amostras sequenciadas, segundo Our World in Data.

"Em resposta, a empresa solicitou a revogação da autorização temporária de uso emergencial e não apresentou os dados de eficácia contra a variante ômicron", disse a Anvisa. 

A agência reguladora esclareceu que está autorizado somente o uso dos estoques remanescentes da pesquisa clínica ou importados antes dessa revogação, exclusivamente para os pacientes com Covid-19.

No dia 24 de janeiro deste ano, a FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora americana, suspendeu o uso desses medicamentos em todo o território nacional. De acordo com o órgão, esses anticorpos monoclonais não são eficazes contra a ômicron, principal variante em circulação nos EUA.

O tratamento havia sido aprovado pela Anvisa em maio do ano passado. Era indicado para pacientes adultos e adolescentes com 12 anos ou mais e que tenham diagnóstico confirmado de Covid em casos leves ou moderados. Esses pacientes, no entanto, deveriam possuir alto risco de desenvolver quadros graves da doença.

O medicamento, desenvolvido pela empresa Eli Lilly, não era indicado para pacientes já hospitalizados e em situação grave. Também não podia ser usado naqueles que precisam de oxigênio.

Presentes no medicamento, o banlanivimabe e o etesevimabe são anticorpos monoclonais, produzidos artificialmente a partir de clones de uma única célula (daí o termo "monoclonal", ou "um clone"). Esses anticorpos se conectam a uma única região de moléculas estranhas ao organismo para então neutralizá-la.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Vacinação contra Covid-19 segue nos serviços de saúde em diversos bairros da João Pessoa

Paraíba registra 102 novos casos de Covid-19 nesta segunda-feira

Covid-19: Fiocruz recomenda novas medidas para evitar contágio em escolas e defende que aulas presenciais sejam mantidas

João Pessoa vacina contra a Covid-19 todos os públicos a partir dos cinco anos