Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Isolamento

Brasil investiga um caso suspeito de coronavírus, e ministério sobe nível de alerta

Agora, passam a ser considerados como suspeitos aqueles com histórico de viagens a toda a China 14 dias antes do início dos sintomas.

Nesta segunda-feira (27), a OMS corrigiu a avaliação de risco diante do coronavírus de "moderado" para "alto" (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira (28) que investiga um caso suspeito de coronavírus no país. O caso é de uma estudante de 22 anos atendida em Belo Horizonte e que viajou para a cidade de Wuhan, na China, epicentro da doença.

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o estado de saúde da paciente é estável. Após ser atendida, ela foi colocada em isolamento até o resultado de exames. Cerca de 14 pessoas que tiveram contato com a paciente estão sendo monitoradas.

Nesta segunda-feira (27), a OMS (Organização Mundial da Saúde) corrigiu a avaliação de risco diante do coronavírus de "moderado" para "alto". A medida levou o Ministério da Saúde a atualizar a definição de casos suspeitos. 

Antes, eram considerados como suspeitos os casos de pessoas com sintomas respiratórios, como febre, tosse e dificuldade para respirar, e com histórico de viagens a região de Wuhan nos últimos 14 dias antes do início dos sintomas. 

Agora, passam a ser considerados como suspeitos aqueles com histórico de viagens a toda a China 14 dias antes do início dos sintomas. 

"O Ministério da Saúde desaconselha qualquer viagem nesse momento para aquele país", diz Mandetta. 

Na última semana, a pasta ativou um centro de operações de emergência para monitorar o registro de possíveis casos. O centro, formado por especialistas em emergência em saúde pública, foi ativado em nível 1, entre três possíveis, o que indica um alerta inicial, visando a preparação da rede de saúde.

Com o registro de um caso suspeito em investigação, o nível de alerta passa agora a nível 2. 

"Na medida em que identificamos o primeiro caso que se enquadrou na definição, entramos no nível 2, que é de perigo iminente [do vírus chegar ao país]. E caso temos alerta, sem casos suspeitos, a partir do primeiro caso, declaramos emergência de saúde pública de importância nacional", diz o secretário de vigilância em saúde, Wanderson Oliveira. 

Para o ministro, a situação indica que há maior risco do vírus chegar ao Brasil. "Falamos em perigo iminente quando se tem um vírus novo e tem a informação de que se tem transmissão sustentada em outro país, e que as pessoas desse país transitam para outros locais, o que indica perigo iminente de se ter o vírus em território nacional", afirma. 

A medida aumenta o reforço à rede de saúde para a necessidade do uso de equipamentos de prevenção em caso de atendimento a casos suspeitos. Apesar do alerta, ele diz que a rede de saúde está preparada para atender possíveis casos e não há motivo para preocupação. 

"É um momento de tranquilizar a população brasileira. Não temos hoje nenhum caso sustentado", diz o ministro. 

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paraíba registra 1.159 novos casos de covid-19 nesta quarta-feira; Estado confirma 414 mortes e total de infectados chega a 16.018

Brasileiros participarão de testes de vacina contra coronavírus da Universidade de Oxford

Farmacêutica americana anuncia testes com humanos de anticorpo contra coronavírus

Pentágono prevê vacina contra covid-19 até o fim do ano