Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Imunizantes

CoronaVac, AZD1222, Cominarty, Ad26.COV2-S, Sputnik e Covaxin: compare as seis vacinas com aval da Anvisa

Outra vacina que já pode ser aplicada no país é a Ad26.COV2.S, da Janssen. A entrega das primeiras 3 milhões de doses está agendada para acontecer ainda em junho, segundo uma informação divulgada recentemente pelo ministro da Saúde.

Até o momento, cerca de 22 milhões de brasileiros receberam as duas doses de alguma vacina que protege contra a covid-19. (Foto: Getty Images)

Por

Na noite da última sexta-feira (4/6), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu sinal positivo para o uso de mais duas vacinas contra a covid-19 no Brasil: a russa Sputnik V e a indiana Covaxin.

Embora a entidade tenha liberado apenas a importação de alguns lotes desses dois imunizantes, que deverão obedecer a critérios bastante restritos, o fato é que a partir das próximas semanas o país poderá contar com seis produtos diferentes em seu programa nacional de vacinação.

Brasil e outros 51 países encomendaram vacinas antes da aprovação de 'Anvisas'
O que muda na vacinação do Brasil com decisão da Anvisa sobre Covaxin e Sputnik
Além dos dois mencionados, os brasileiros já recebem desde janeiro de 2021 as doses da CoronaVac (Sinovac/Instituto Butantan) e da AZD1222 (AstraZeneca/Universidade de Oxford/FioCruz).

Em fevereiro, foi a vez da Cominarty (Pfizer/BioNTech) ganhar a aprovação da Anvisa. Mas as primeiras remessas dela só foram chegar ao Brasil no final de abril, após semanas de discussão entre as farmacêuticas e o Governo Federal sobre as cláusulas do contrato de venda e compra.

Outra vacina que já pode ser aplicada no país é a Ad26.COV2.S, da Janssen. A entrega das primeiras 3 milhões de doses está agendada para acontecer ainda em junho, segundo uma informação divulgada recentemente pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

É curioso notar que cada um desses produtos possui particularidades sobre as tecnologias utilizadas, o mecanismo de ação e o tempo de intervalo entre as doses.

A BBC News Brasil resumiu essas características e apresenta a seguir as principais diferenças entre os imunizantes que já são usados e aqueles que devem desembarcar por aqui nas próximas semanas:

CoronaVac

Fabricantes: Sinovac (China) e Instituto Butantan (Brasil).

Tipo de tecnologia: Vírus inativado.

Essa é uma das técnicas mais antigas e conhecidas na produção de vacinas: os cientistas usaram o próprio Sars-CoV-2, o coronavírus responsável pela pandemia atual, para desenvolver a CoronaVac.

O agente infeccioso passa por uma série de processos químicos e físicos em laboratório para ser inativado. Isso significa que não há chance alguma de ele provocar a doença quando introduzido no nosso corpo.

Após a aplicação, o sistema imune reconhece as partículas virais e gera anticorpos contra elas.

Data de aprovação pela Anvisa: 17 de janeiro de 2021.

Tipo de aprovação: Emergencial.

Isso significa que novos estudos e documentos precisarão ser enviados à Anvisa para comprovarem que o imunizante funciona em longo prazo e o pedido de registro definitivo seja aprovado futuramente.

Quantidade de doses necessárias: Duas.

Intervalo entre as doses: de 14 a 28 dias.

Armazenamento: Refrigeração normal em geladeira.

Taxa de eficácia: 50%.

Dados divulgados na última semana pelo Governo do Estado de São Paulo revelaram que a efetividade da CoronaVac no mundo real é bem maior que a porcentagem de eficácia obtida nos testes clínicos: após imunizar 95% da população adulta da cidade de Serrana, no interior paulista, os cientistas observaram uma redução de 95% das mortes, 86% das internações e 80% dos casos de covid-19 no município.

Lugares em que está aprovada ou há previsão de uso: China, Indonésia, Turquia, Chile e outros 22 países/territórios/blocos econômicos.

Há mais de 897 milhões de doses da CoronaVac encomendadas pelo mundo para os próximos meses.

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde também deu aprovação emergencial ao produto da farmacêutica Sinovac.

AZD1222

Fabricantes: AstraZeneca (Inglaterra/Suécia), Universidade de Oxford (Inglaterra) e Fundação Oswaldo Cruz (Brasil).

Essa vacina também é conhecida como Vaxzevria e CoviShield.

Tipo de tecnologia: Vetor viral não replicante.

Os desenvolvedores selecionaram um adenovírus, que não provoca nenhum tipo de doença em seres humanos. Daí eles colocaram dentro dele algumas informações genéticas do coronavírus.

Nosso corpo reconhece esses pedacinhos do genoma viral e, após uma série de processos, consegue criar uma resposta imune.

Data de aprovação pela Anvisa: 17 de janeiro de 2021.

Tipo de aprovação: Definitiva.

Após liberação emergencial em janeiro, a Anvisa concedeu o registro definitivo para a AZD1222 em 12 de março de 2021.

Quantidade de doses: Duas.

Intervalo entre as doses: Três meses.

Armazenamento: Refrigeração normal em geladeira.

Taxa de eficácia: 76%.

Lugares em que está aprovada ou há previsão de uso: União Europeia, Reino Unido, Japão, Canadá e outros 42 países/territórios/blocos econômicos.

Há mais de 2,6 bilhões de doses da AZD1222 encomendadas pelo mundo para os próximos meses.

Cominarty

Fabricantes: Pfizer (Estados Unidos) e BioNTech (Alemanha).

Tipo de tecnologia: mRNA.

Essa é uma das plataformas mais modernas e inovadoras. As vacinas de Pfizer/BioNTech trazem um pequeno código genético que instrui as células de nosso próprio corpo a produzirem moléculas parecidas com o coronavírus.

O sistema imune então reconhece essas partículas e desenvolve os anticorpos necessários.

Data de aprovação pela Anvisa: 23 de fevereiro de 2021.

Tipo de aprovação: Definitiva.

Quantidade de doses: Duas.

Intervalo entre as doses: 21 dias.

O Brasil adotou um esquema diferente em relação ao que é recomendado pelas fabricantes. Pfizer e BioNTech entendem que a segunda dose da Cominarty deve ser aplicada três semanas após a primeira.

O Ministério da Saúde, porém, preconiza um intervalo de três meses. Os representantes do Governo Federal justificam a decisão com base nas políticas públicas de outros países, como o Reino Unido.

Armazenamento: Freezer na temperatura de -25 °C a -15 °C. Após a abertura da embalagem, as doses podem permanecer na geladeira comum por algum tempo.

Taxa de eficácia: 91%.

Lugares em que está aprovada ou há previsão de uso: Estados Unidos, Austrália, Israel e outros 48 países/territórios/blocos econômicos.

Há mais de 3,1 bilhões de doses da Cominarty encomendadas pelo mundo para os próximos meses.

Ad26.COV2-S

Fabricante: Janssen (Estados Unidos)

Tipo de tecnologia: Vetor viral não replicante.

Data de aprovação pela Anvisa: 31 de março de 2021.

Tipo de aprovação: Emergencial.

Quantidade de doses: Uma.

Esse é um ponto de destaque do produto da farmacêutica Janssen: ao contrário de todas as outras vacinas disponíveis, ela precisa de apenas uma dose para surtir efeito.

Num cenário em que há escassez de matéria-prima e muita gente que ainda não foi vacinada, essa é uma vantagem importante.

Apesar de o imunizante estar liberado no país desde março, ele ainda não é usado na campanha brasileira: as primeiras 3 milhões de doses devem ser entregues ainda em junho, segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Armazenamento: Pode ficar em geladeira comum por até três meses.

Taxa de eficácia: Nos estudos, variou entre 64% e 72%.

Lugares em que está aprovada ou há previsão de uso: União Europeia, Reino Unido, Nova Zelândia e outros 14 países/territórios/blocos econômicos.

Há mais de 850 milhões de doses da Ad26.COV2-S encomendadas pelo mundo para os próximos meses.

Sputnik V

Fabricante: Instituto Gamaleya de Pesquisa (Rússia).

Tipo de tecnologia: Vetor viral não replicante.

A tecnologia é a mesma da AZD1222 e da Ad26.COV2-S, mas há uma diferença importante: a Sputnik V é feita a partir de dois adenovírus diferentes. A primeira e a segunda dose da vacina, portanto, têm formulações distintas.

E isso, por sua vez, exige um cuidado extra na hora da aplicação: para garantir o bom resultado, é importante que as orientações sobre a ordem e diferença entre as duas doses sejam seguidas à risca.

Data de aprovação pela Anvisa: 4 de junho de 2021.

Tipo de aprovação: Importação de lotes com restrições.

A decisão da Anvisa sobre a Sputnik atendeu os pedidos de seis Estados (Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí e Sergipe) e permitiu trazer quantias suficientes para 1% da população desses locais (algo ao redor de 928 mil doses).

As vacinas precisarão vir necessariamente de laboratórios da Rússia vistoriados e certificados pela agência brasileira e passarão por novas análises em território nacional antes de serem distribuídas.

O produto não será indicado para quem tem hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula, grávidas, lactantes, menores de 18 anos, mulheres em idade fértil que desejam engravidar nos próximos 12 meses, portadores de enfermidades graves ou não controladas e antecedentes de anafilaxia (reação alérgica grave).

Ela também não poderá ser aplicada em indivíduos que tenham recebido outras vacinas contra a covid-19, portadores de HIV, hepatite B ou C, indivíduos que tenham se vacinado no mês anteriores ou que tenham recebido tratamentos com imunoglobulinas, hemoderivados, imunossupressores, citotóxicos, quimioterapia e radioterapia nos últimos 36 meses.

A Anvisa ainda exigiu que a Sputnik V só seja aplicada em locais onde reações adversas possam ser monitoradas e tratadas. A agência também pediu que os fabricantes conduzam um estudo de efetividade do imunizante no Brasil.

Quantidade de doses: Duas.

Como dito anteriormente, os locais de aplicação precisarão ter atenção redobrada, pois o conteúdo da primeira e da segunda dose da Sputnik são diferentes.

Intervalo entre as doses: 21 dias, mas há discussões para que esse tempo também seja ampliado para três meses.

Armazenamento: Freezer na temperatura de -18 °C.

Taxa de eficácia: 91%.

Lugares em que está aprovada ou há previsão de uso: Rússia, Argentina, México e outros 46 países/territórios/blocos econômicos.

Há mais de 442 milhões de doses da Ad26.COV2-S encomendadas pelo mundo para os próximos meses.

Covaxin

Fabricante: Bharat BioTech (Índia).

Tipo de tecnologia: Vírus inativado.

Data de aprovação pela Anvisa: 4 de junho de 2021

Tipo de aprovação: Importação de lotes com restrições.

As orientações da Anvisa para a Covaxin seguiram os mesmos moldes da Sputnik V: ela não poderá ser usada por pessoas que apresentam qualquer fator de risco de eventos adversos ou que se encaixam naquela longa lista de critérios, condições e tratamentos.

O pedido para liberação veio do próprio Ministério da Saúde, que já havia assinado em março um contrato com a Bharat BioTech para a compra de 20 milhões de doses.

A decisão da agência regulatória brasileira permitiu, por enquanto, o uso de 4 milhões de unidades desse imunizante.

Quantidade de doses: Duas.

Intervalo entre as doses: Quatro semanas.

Armazenamento: Temperatura ambiente por pelo menos uma semana.

Taxa de eficácia: 78%.

Uso em outros países: Além de Brasil, Índia, Filipinas, Irã e Estados Unidos possuem acordos e encomendas da Covaxin, que totalizam mais de 88 milhões de doses.

Vacina boa é vacina no braço

Apesar de todas as diferenças entre os produtos aprovados para uso no Brasil, uma coisa é consenso entre os especialistas da área: não há motivos para preferir um tipo ou outro de imunizante, uma vez que todos receberam o aval da Anvisa.

A frase "vacina boa é vacina no braço" virou praticamente um mantra entre epidemiologistas, enfermeiros, médicos e demais especialistas em saúde pública.

Isso porque precisamos levar em conta os ganhos coletivos de uma campanha massiva de imunização: mais que proteger uma pessoa de forma individual, as doses têm um efeito mais amplo, diminuindo a circulação do coronavírus por toda a comunidade.

Essa menor circulação viral, por sua vez, desemboca numa diminuição dos casos, das internações e das mortes por covid-19.

Será através da vacinação de uma boa parcela da população que alcançaremos a tão desejada imunidade de rebanho, para que a pandemia fique mais controlada e deixe de ser um problema enorme.

E, para que isso aconteça, é importante que todo mundo tome o imunizante quando chegar a vez: se você faz parte de algum público-alvo da campanha, vá ao posto de saúde mais próximo de sua casa assim que possível.

Até o momento, 22 milhões de brasileiros já tomaram as duas doses da vacina contra covid-19, o que representa pouco menos de 11% da população.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Brasil registra 484 mortes por Covid em 24 h e 12.582 casos

João Pessoa vacina adolescentes a partir de 16 anos e aplica terceira dose em idosos 75+ nesta quarta-feira

Paraíba registra uma morte, 25 novos casos moderados ou graves e 17% de ocupação de leitos Covid-19

Brasil registra 248 mortes por Covid em 24 h e passa de 591 mil óbitos