Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Pandemia

Covid-19: OMS diz que Rússia não precisa de sua aprovação para registrar a vacina

Entidade monitora o desenvolvimento das pesquisas de vacinas e afirma que a candidata do laboratório russo ainda está na primeira das três fases necessárias.

A entidade considera que uma vacina só deve ser usada na população depois de aprovada nessas três etapas. (Foto: Reprodução)

Por

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou nesta terça-feira (11) que precisará ter acesso aos dados da pesquisa do laboratório russo Instituto Gamelaya para avalizar a eficácia e segurança da vacina desenvolvida no país para aprová-la, mas que a Rússia não precisa do aval da entidade para fazer o registro.

A Rússia anunciou, na manhã desta terça, que foi o primeiro país do mundo a registrar uma vacina contra o coronavírus. Pouco se sabe sobre a pesquisa que embasa essa vacina.

A OMS monitora o desenvolvimento das vacinas. Pelo último registro da entidade, do dia 31 de julho, os russos ainda estão na fase 1, e seria preciso completar a fase 3 para fazer o registro (veja abaixo no que consiste cada fase). A entidade considera que uma vacina só deve ser usada na população depois de aprovada nessas três etapas.

Em uma entrevista, Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS, disse que o órgão mantém a informação que consta no monitoramento. No entanto, ele também afirmou que o documento é atualizado semanalmente, e a última informação é de 31 de julho.

Os países não precisam de uma aprovação da OMS para aplicar vacinas em seus territórios. "Os produtores [de vacinas] pedem à OMS uma pré-qualificação porque é uma espécie de selo de qualidade. E então há um processo de revisão e avaliação dos dados de segurança e eficácia que foram colhidos nos ensaios clínicos. A OMS faria isso para qualquer vacina candidata."

Ele disse que a organização está em contato com a agência regulatória da Rússia. Há discussões sobre uma possível pré-qualificação da OMS da vacina, mas para isso é preciso fazer uma análise rigorosa e avaliação de todos os dados sobre eficácia e segurança.

O protocolo para a pesquisa de desenvolvimento de uma vacina é o seguinte:

Fase 1: avaliação preliminar da segurança do imunizante, feita com número reduzido de voluntários. Com ela, entende-se qual é o tipo de resposta que o imunizante produz no corpo. Ela é aplicada em dezenas de participantes do experimento.
Fase 2: estudo clínico ampliado, conta com centenas de voluntários. A vacina é administrada a pessoas com características (como idade e saúde física) semelhantes àquelas para as quais a nova vacina é destinada. Nessa fase é avaliada a segurança da vacina, imunogenicidade (ou a capacidade da proteção), a dosagem e como deve ser administrada.
Fase 3: ensaio em larga escala, com milhares de indivíduos. É preciso fornecer uma avaliação definitiva da sua eficácia e segurança em maiores populações. Além disso, feita para prever eventos adversos e garantir a durabilidade da proteção. Apenas depois desta fase é que se pode fazer um registro sanitário.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Presidente da Unimed João Pessoa afirma que hospital está atendendo 25% mais casos de síndrome gripal do que no pico da pandemia em maio

Pazuello diz que são no máximo três as opções de vacina contra a Covid para Brasil

Hospital da Unimed João Pessoa recebe Selo Ouro em sustentabilidade pelo terceiro ano consecutivo

Testes rápidos não são tão eficazes para detectar coronavírus em crianças, apontam estudos preliminares