Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

CoronaVac

Critério para escolher uma vacina é a ciência, e não nacionalidade, diz OMS

A vice-diretora-geral da OMS, Mariângela Simão, disse que das 10 vacinas em estados avançados de pesquisa, quatro são chinesas, uma é russa e cinco são de multinacionais.

Presidente Jair Bolsonaro disse que população não confiaria na vacina por ser chinesa (Foto: Reprodução)

Por

A Organização Mundial da Saúde escolhe as vacinas que apoia com base em critérios científicos, e não pela nacionalidade da empresa que as desenvolvem, disse nesta sexta-feira (23) Margaret Harris, porta-voz da entidade, ao ser questionada sobre a decisão de Jair Bolsonaro de não comprar vacinas chinesas.

"Nós escolhemos a ciência. [A questão] não é a respeito da nacionalidade, e essa é a beleza de ser multilateral, esse é o ponto da ONU. Nós escolhemos a ciência e deveremos escolher a melhor vacina. E como se sabe, não vamos apoiar nenhuma vacina até que seja provado que ela teve o mais alto padrão de segurança e o nível certo de eficácia."

No começo desta semana, o Ministério da Saúde anunciou um protocolo de intenção de compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, a vacina contra o coronavírus desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Na quarta-feira (20), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que ordenou o cancelamento do acordo.

Politização da vacina

Em entrevista, a vice-diretora-geral da OMS, Mariângela Simão, disse que das 10 vacinas em estados avançados de pesquisa, quatro são chinesas, uma é russa e cinco outras são de multinacionais.

"O Brasil tem condições de avaliar, por meio da Anvisa, porque uma vacina não pode entrar no mercado antes de terminar a fase 3", disse ela.

"Hoje o mundo depende de muitos produtos farmacêuticos que são oriundos da China: muitos dos princípios ativos farmacêuticos, boa parte das plantas, das fábricas de produção, por exemplo, antibióticos são chinesas, vêm da China."

Há politização em torno do tratamento da Covid-19, mas o importante, segundo a vice-diretora-geral da OMS, é que a autoridade sanitária (no caso brasileiro, a Anvisa), esteja atenta.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Secretários de saúde explicam que proibição de eventos e fiscalização mais intensa visam evitar lockdown

MPF solicita ao Ministério da Saúde envio de 20 mil testes de Covid-19 para João Pessoa ao alegar que há 6,8 milhões estocados

Paraíba confirma 729 novos casos e 13 óbitos por Covid-19 em 24h; total de mortes chega a 3.338 e 148.003 infectados

Vacina só deverá cobrir toda a população paraibana em 2022, diz secretário