Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Pandemia

Governo cobrará quarentena de 5 dias de viajantes não vacinados

Pela nova regra, quem apresentar o certificado de imunização pode cruzar a fronteira apenas com o resultado negativo do teste para a Covid.

A mudança foi anunciada nesta terça-feira (7) pelos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Marcelo Queiroga (Saúde) e Bruno Bianco (Advocacia-Geral da União) e contraria o discurso negacionista de Bolsonaro. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O governo Jair Bolsonaro (PL) decidiu exigir uma quarentena de cinco dias de viajantes não vacinados que entrarem no Brasil. Pela nova regra, quem apresentar o certificado de imunização pode cruzar a fronteira apenas com o resultado negativo do teste para a Covid.

A mudança foi anunciada nesta terça-feira (7) pelos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Marcelo Queiroga (Saúde) e Bruno Bianco (Advocacia-Geral da União) e contraria o discurso negacionista de Bolsonaro.

Hora antes, em evento no Palácio do Planalto, o presidente comparou o passaporte da vacina a uma coleira.

"Essa coleira que querem coloca no povo brasileiro. Cadê a nossa liberdade? Prefiro morrer do que perder a minha liberdade", disse Bolsonaro.

Os viajantes não vacinados devem realizar um teste para a Covid-19 no quinto dia de isolamento. Se o resultado for negativo, podem circular no Brasil. Ainda não há detalhes sobre como será organizada e fiscalizada a quarentena dos não vacinados. O governo deve publicar uma portaria nesta terça-feira (7).

O governo também decidiu reabrir as fronteiras terrestres a quem estiver vacinado. Não ficou claro se as regras serão iguais para quem entra por terra ou voos. Os ministros não quiseram responder as perguntas da imprensa.

Como revelou o jornal Folha de S.Paulo, a Anvisa sugeriu, em 12 de novembro, a cobrança da vacinação ou a imposição de quarentena de quem entra no Brasil. A pressão pelo controle mais rígido das fronteiras aumentou com a descoberta da variante ômicron.

Na prática, o governo aceitou o cerne da proposta da Anvisa, apesar da retórica negacionista de Bolsonaro.

Para contornar o discurso de Bolsonaro, os ministros evitaram o termo "passaporte da vacina" e destacaram que pessoas não imunizadas têm a opção de fazer quarentena no Brasil. No quinto dia, se tiverem o exame negativo para Covid, estariam liberadas.

"Nesse contexto que estamos espreitados pela variante ômicron, que não sabemos ainda o total potencial, (vamos) requerer que indivíduos não vacinados cumpram quarentena de cinco dias. E após essa quarentena realizariam teste, sendo negativo, poderiam normalmente, no caso de estrangeiros, aproveitar todas as belezas desse nosso grande Brasil", disse Queiroga.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Vacinação da D2 contra a Covid-19 tem horário extra no Santuário Mãe Rainha nesta segunda-feira

João Pessoa suspende testagem de Covid-19 no Lacen-JP e abre três postos itinerantes para população

Bayeux inicia vacinação de crianças contra Covid-19 nesta segunda-feira

Brasil acumula problemas em série de testagem em momento de alta da ômicron