Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Boletim

Paraíba tem queda de 39% nos casos de HIV/Aids e maioria dos infectados está em JP e Campina Grande

Neste ano, João Pessoa (86 casos), Campina Grande (27), Patos (9), Bayeux (8) e Mamanguape (7) concentram 65% das pessoas com a doença.

Foram registrados 56 óbitos, em pessoas de 30 a 59 anos (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Por

Os casos de Aids e HIV aumentaram entre pessoas de 20 a 49 anos, conforme aponta o boletim epidemiológico da Gerência Operacional das IST/HIV/Aids/Hepatites Virais da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Contudo, em 2019 houve redução de 39% nos casos de HIV/Aids na Paraíba. Neste ano, João Pessoa (86 casos), Campina Grande (27), Patos (9), Bayeux (8) e Mamanguape (7) concentram 65% das pessoas com a doença.

Em relação a 2019, no mesmo período de 2018, foram registrados 342 casos de HIV/Aids, sendo registrada uma diminuição de 39%.

Foram registrados 56 óbitos, em pessoas de 30 a 59 anos. O diagnóstico tardio ainda é um importante fator de manutenção dos números de mortalidade. Sendo uma grande tendência no sexo masculino, que ainda é um grupo de difícil adesão aos antirretrovirais.

A SES desenvolve várias estratégias para enfrentamento do HIV/Aids. Entre elas, capacitação para teste rápido nos municípios e serviços de saúde; serviços de referência para testagem e assistência às pessoas com HIV/Aids (Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) e Serviços de Assistência Especializada (SAE); ampliação de serviços para oferta da Profilaxia Pós-exposição; criação do Comitê Estadual de investigação de casos de transmissão vertical do HIV, apoio aos projetos de ONG´s que promovem ações de prevenção junto às populações vulneráveis e oferta de cursos à distância para professores e alunos da rede estadual, objetivando a qualificação e oportunizando a discussão em sala de aula com temáticas como sexualidade, respeito às diferenças, prevenção às ISTs e discussão de gênero.

Profilaxia Pós-Exposição – PEP

A PEP é uma forma de prevenção de urgência à infecção pelo HIV que consiste no uso de medicamentos que precisam ser tomados por 28 dias, que deve ser iniciada o mais rápido possível, preferencialmente, nas primeiras duas horas após a exposição e no máximo, em até 72 horas para reduzir o risco de adquirir a infecção. Deve ser utilizada após qualquer situação em que exista risco de contágio: violência sexual, relação sexual desprotegida e acidente ocupacional.

Profilaxia Pré-Exposição – PrEP

A PrEP consiste na tomada diária de um comprimido que impede que o vírus causador da Aids infecte o organismo, antes de a pessoa ter contato com o vírus. Ela é indicada para pessoas que têm maior chance de entrar em contato com o HIV.

“Ainda há muito a ser feito na promoção, prevenção e na atenção, além do apoio e das ações de promoção vinculadas à luta contra o preconceito, o estigma e a discriminação, como ações estratégicas para o enfrentamento da epidemia de HIV/Aids”, concluiu Ivoneide.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Vacinação contra sarampo começa nesta sexta na Paraíba

Ministério da Saúde suspende transferência de recursos para São Bento por irregularidade

Começa hoje vacinação preventiva contra o sarampo

Secretário de Saúde fala dos reflexos da 'Calvário' e explica como acabar com a 'ambulancioterapia'