Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

Coronavírus

Variantes de Manaus e do Rio circulam desde janeiro em João Pessoa, Conde e Ingá, aponta estudo feito em parceria com UFPB

"A circulação dessas variantes na Paraíba é um pouco anterior ao que a gente pensava. A primeira detecção foi a amostra de Ingá", disse Vinícius Pieta, do Departamento de Fisiologia e Patologia.

Amostras são de dezembro, janeiro e fevereiro, sendo possível achar, a partir das amostras de janeiro, 23 pertencentes a linhagem P1 (de Manaus), sendo 15 de Natal, 2 de João Pessoa, 1 de Ingá e 1 de Conde, e 4 de pacientes de Manaus, internados no HU. (Foto: Pixabay/Imagem ilustrativa)

Por

Variantes do coronavírus de Manaus e Rio de Janeiro estão circulando desde janeiro em João Pessoa, Ingá e Conde, na Paraíba, e em Natal, no estado do Rio Grande do Norte. É o que aponta um estudo que contou com a colaboração do Laboratório de Biologia Molecular/LaBiMol - Centro de Ciências Médicas - Universidade Federal da Paraíba (CCM/UFPB) e do Instituto de Medicina Tropical da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), segundo informações obtidas pelo ClickPB.

Estudos contínuos de vigilância genômica são fundamentais para estudo da dispersão de novas linhagens no Brasil. O sequenciamento foi realizado através do LNCC - Laboratório de Bioinformática do Laboratório Nacional de Computação Científica, unidade de pesquisa subordinada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

As amostras coletadas referem-se aos meses de dezembro de 2020, janeiro e fevereiro de 2021, onde foi possível identificar, a partir das amostras de janeiro de 2021, 23 amostras pertencentes a linhagem P1 (inicialmente encontrada em Manaus), sendo que 15 são da cidade de Natal (RN), 2 de João Pessoa, 1 de Ingá e 1 de Conde, na Paraíba, e outras 4 de pacientes da cidade de Manaus (AM), que foram internados no Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW/UFPB), em João Pessoa, na Paraíba.

"Aqui na UFPB, nós temos alguns projetos em parceria com o MCTI que envolvem o diagnóstico da covid-19. Dentro do projeto RedeVírus MCTI existe um braço chamado de Corona-Ômica, que faz avaliação de sequenciamento dos genomas dos vírus em todo Brasil. No início desse mês, o LaBiMol/CCM encaminhou algumas amostras de pacientes da Paraíba para o LNCC, no Rio de Janeiro, e foi feito o sequenciamento desses vírus na Paraíba. Conseguimos observar que a gente já tem, desde o início do mês de janeiro, a circulação de algumas variantes do vírus SARS-CoV, que foram aquelas descritas inicialmente em Manaus e Rio de Janeiro", explicou Vinícius Pieta, do Departamento de Fisiologia e Patologia (DFP/UFPB).

Além disso, em 46 amostras a linhagem P2 foi caracterizada. Essa linhagem inicialmente descrita no estado do Rio de Janeiro está se disseminando no Brasil e pelos dados deste trabalho encontra-se também nesses dois estados.

De acordo com a RedeVírus MCTI, essas novas linhagens do SARS-CoV-2 estão sendo associadas a possível maior dispersão do vírus. As análises ainda estão sendo finalizadas e em breve os genomas serão depositados em bases de dados públicas e o trabalho será submetido em periódico internacional. A recomendação dos pesquisadores, diante desses dados, é que os órgãos estaduais e federais competentes tomem as providências cabíveis.

Segundo Vinícius Pieta, as variantes descritas inicialmente em Manaus e Rio de Janeiro estão se tornando mais preocupantes no país porque estão associadas a maior transmissibilidade e podem estar associadas ao aumento no número de casos.

“A circulação dessas variantes na Paraíba é um pouco anterior ao que a gente pensava. A primeira detecção na Paraíba foi a amostra de Ingá. O paciente apresentou sintomas no dia 8 de janeiro. Ou seja, nós tínhamos um receio de que elas pudessem ser trazidas para cá quando vieram os pacientes de Manaus, apesar de atendidos todos os protocolos. Mas agora sabemos que, antes mesmo desse fluxo, a gente já tinha a circulação dessas variantes aqui”, comentou Vinícius.

Também participam do estudo os pesquisadores Bruno Galvão, Eloiza Campana, Naiara Dejani, Marília Cavalcanti e Eduardo Sérgio.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Brasil ultrapassa 350 mil mortes por Covid; média de mortes volta a passar 3 mil depois de 8 dias

Paraíba confirma 39 mortes e 1.480 novos casos de Covid-19 neste sábado

34% dos que tiveram Covid-19 desenvolveram problemas psicológicos, mostra estudo inglês

Mais de 500 mil que receberam primeira dose da vacina em janeiro não tomaram a segunda