Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Exploração espacial

Governo Bolsonaro assina acordo para apoiar programa da Nasa que prevê nova missão à Lua em 2024

Ainda segundo a pasta, o Brasil é o único país da América Latina e o 12º a assinar a parceria de adesão ao programa Artemis da Nasa, de retorno à Lua.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, disse que a adesão do Brasil ao programa Artemis é "um grande salto para o programa espacial brasileiro". (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O governo Jair Bolsonaro (sem partido) assinou nesta terça-feira (15) um acordo para apoiar um programa do governo americano que prevê o envio de uma tripulação à Lua em 2024.

De acordo com o Ministério da Ciência e Tecnologia, o acordo estabelece princípios e diretrizes de cooperação internacional na exploração do espaço, entre elas fins pacíficos, transparência e divulgação de dados.

Ainda segundo a pasta, o Brasil é o único país da América Latina e o 12º a assinar a parceria de adesão ao programa Artemis da Nasa, de retorno à Lua. A lista inclui, além dos EUA, Austrália, Canadá, Itália, Japão, Luxemburgo, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Ucrânia.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, disse que a adesão do Brasil ao programa Artemis é "um grande salto para o programa espacial brasileiro". "Esse programa retorna com missões tripuladas á Lua e hoje o Brasil se integra a esse esforço", disse o ministro e ex-astronauta.

A cerimônia no Palácio do Planalto teve a participação do presidente Bolsonaro, do ministro Carlos França (Relações Exteriores) e do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman. Enviaram mensagem de vídeo o administrador da Nasa, Bill Nelson, e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

Em um primeiro momento, a adesão do Brasil ao programa Artemis não envolve investimentos do país.

"Neste momento não tem nenhum recurso envolvido. Na medida que o Brasil vai se integrando nas diversas missões e atividades do programa, podem ser feitos contratos individuais e separados para cada uma dessas fases", disse.

Todd Chapman afirmou, por sua vez, que os acordos Artemis "são parte de um esforço amplo dos seus signatários para trabalharem juntos para a exploração civil pacífica do espaço". "Eu espero ver na Lua a bandeira brasileira ao lado da bandeira dos EUA", disse.

Ele também afirmou que o plano do governo americano é que, no retorno de missões humanas à Lua, a tripulação seja formada pela primeira mulher e a primeira pessoa negra a aterrissar no satélite.

Após a cerimônia, Pontes foi questionado se a tripulação que deve viajar à Lua em 2024 será formada exclusivamente por americanos. Ele disse que sim, mas que, no âmbito do acordo, outros países podem integrar eventuais missões.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Conheça o 'kart voador' de R$ 520.000; cliente do Brasil é um dos compradores do veículo elétrico

Arqueólogos descobrem sinais de meteorito que pode ter originado história de Sodoma e Gomorra

Meteoro explode sobre a fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai

iPhone 13: Apple começa pré-venda no Brasil; veja os preços