Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Espaço sideral

NASA não consegue evitar colisão de asteroide mortífero com a Terra

As observações permitiam concluir que havia uma probabilidade de 100% de impacto.

O objetivo do exercício passa também por envolver as comunidades de gestão de crises e de resposta de emergência a cooperar e a pensar juntas na reação que teríamos de ter, enquanto planeta, para desviar um asteroide no espaço. (Foto: Reprodução)

Por

Em um exercício acadêmico, uma equipe de pesquisadores da NASA foi confrontada com a probabilidade de um asteroide aparecer em rota de colisão com o nosso planeta e revelou-se incapaz de evitar o impacto.

Lindley Johnson, oficial de Defesa Planetária da NASA, explica que o painel de cientistas da NASA foi confrontado com um dos cenários mais desafiantes durante a conferência International Academy of Astronautic’s Planetary Defense na semana passada e que a equipe simplesmente não conseguiu encontrar a solução para evitar o impacto, mesmo considerando a utilização de armas nucleares.

O objetivo do exercício passa também por envolver as comunidades de gestão de crises e de resposta de emergência a cooperar e a pensar juntas na reação que teríamos de ter, enquanto planeta, para desviar um asteroide no espaço.

A equipe do Centro para Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA descreveu o objeto hipotético, com o nome 2021 PDC e foi partilhando informações ao longo dos quatro dias do evento. 

Os participantes aprenderam que o objeto media entre 35 e 700 metros e que havia uma probabilidade de colisão de 1 para 20, algures para outubro deste ano.

As observações permitiam concluir que havia uma probabilidade de 100% de impacto.

A equipe de projeto, com várias centenas de participantes, acabou por assumir que seria impossível preparar uma missão espacial que pudesse desviar o asteroide ou realizar qualquer outra forma de mitigar o perigo e evitar a colisão antecipadamente. 

A porta-voz assumiu que, dado o estado atual da tecnologia e a forma como as missões são executadas, são precisos pelo menos dois anos para a preparação e desenvolvimento.

No último dia, os participantes tiveram de focar a discussão, a uma semana da colisão, em torno de planos de evacuação e de resposta a crises algures na região a sul de Praga.

Os especialistas disseram que não seria possível preparar e enviar uma nave para desviar a trajetória do asteroide em tão pouco tempo e que nem a hipótese de mitigação com recurso a uma arma nuclear seria viável. 

A recomendação foi o desenvolvimento de aeronaves de resposta rápida que possam ser colocadas em órbita com poucos dias ou semanas de antecedência.

Vale lembrar que a NASA está a próxima de concluir a missão Sistema de Redirecionamento de Asteroide Duplo, uma missão que pretende estabelecer as bases para futuras tentativas de desvio de trajetórias de asteroides que ameacem a Terra. 

Por outro lado, há ainda a Missão de vigilância de objetos próximos à Terra, que pretende monitorar o Sistema Solar em busca de asteroides potencialmente perigosos e que será lançada ainda este ano.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Conheça o 'kart voador' de R$ 520.000; cliente do Brasil é um dos compradores do veículo elétrico

Arqueólogos descobrem sinais de meteorito que pode ter originado história de Sodoma e Gomorra

Meteoro explode sobre a fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai

iPhone 13: Apple começa pré-venda no Brasil; veja os preços