Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Pão de Açúcar

Perfis falsos de SAC de empresas clonam Whatsapp de clientes

Eles entram em contato com clientes que publicam reclamações sobre serviços na internet, especialmente para a entrega em casa de produtos essenciais.

Criminosos estão criando perfis falsos simulando suporte de atendimento ao cliente de empresas e supermercados nas redes sociais, para aplicarem golpes. (Foto: Reprodução)

Por

Criminosos estão criando perfis falsos simulando suporte de atendimento ao cliente de empresas e supermercados nas redes sociais, para aplicarem golpes. Eles entram em contato com clientes que publicam reclamações sobre serviços na internet, especialmente para a entrega em casa de produtos essenciais. 

Os bandidos pedem dados e orientam os consumidores a executar alguns procedimentos para a solução de suas queixas. O objetivo é a clonar os perfis do Whatsapp destes consumidores, para acessar seus dados ou extorquir os seus contatos.

A consumidora Karen Maia, de 30 anos, foi uma das vítimas do golpe, após ter problemas com compras feitas por delivery, na rede de supermercados Pão de Açúcar. Ela reclama que além de problemas na entrega de produtos e dificuldade de contato com o atendimento da empresa, o procedimento para relatar falhas expõe os dados pessoais dos clientes em redes sociais, o que os torna alvo fácil para grupos criminosos.

Segundo ela, tudo começou com a cobrança por produtos que não foram entregues pelo supermercado.

— Assim que vi o problema, tentei ligar, falar por chat e nada. Mandei (a queixa) para o e-mail de atendimento ao cliente e nunca responderam. Até que resolvi recorrer ao Instagram deles. Mandei uma mensagem privada, explicando tudo, e comentei em uma foto postada, dizendo que iria precisar de estorno dos itens e pedindo para verem a caixa de mensagens particulares. Eles finalmente responderam, nos comentários, falando para eu contar meu caso publicamente, pois na caixa privada não veriam. Contei, eles disseram que iam entrar em contato, mas sumiram de novo — recorda Karen.

Segundo ela, a demora entre a entrega do pedido e a primeira resposta nas redes sociais foi de 26 dias. Nomeado “Suporte Pão de Açúcar”, o perfil sabia de todo seu caso e reclamação, e pediu o nome completo e o telefone da pessoa que estava cadastrada na conta. Em seguida, disseram que iam mandar um código por SMS para o número, e ela deveria informá-lo para confirmar o cadastro. O que ela fez.

— Foi aí que o Whatsapp exibiu uma mensagem dizendo que aquele número não estava mais cadastrado no aparelho e que eu deveria cadastrá-lo de novo, caso não tivesse feito esse procedimento. Nós temos aquela configuração ativada no Whatsapp de dupla verificação que dizem proteger de invasão. Mas mesmo assim ficamos com medo. Não temos certeza se eles conseguiram mesmo invadir o aplicativo ou não — diz, lamentando: — Eu sou super prevenida com as coisas, mas infelizmente eu já estava tão desgastada, depois de quase um mês me aborrecendo e tentando resolver a questão, que quando apareceu essa oportunidade, acabei caindo.

Procurada, a rede de mercados informou que "diante de qualquer dificuldade com os serviços de compra online, o cliente é orientado a entrar em contato com o atendimento oficial ao consumidor pelo telefone 4004-6070. Em razão da alta demanda em março e abril, as linhas apresentaram congestionamentos em alguns dias e medidas foram implantadas para ampliar a capacidade de suporte. Sobre o relato da cliente, a rede lamenta o ocorrido e esclarece que nunca solicita informações pessoais de seus clientes em ambiente público. Ressalta, ainda, que todo o contato é realizado exclusivamente por meio de seus canais oficiais."

Como se proteger

Em particular - Utilize canais oficiais de empresas para fazer reclamações, insistindo no contato de forma privada. Nunca troque mensagens com a empresa de forma que outros possam ler.

Autenticação - Ative a autenticação em dois fatores, disponível no próprio WhatsApp, para aumentar a segurança da conta.

Site falso - Na dúvida, é possível verificar se um link é falso no site do dfndr lab. A checagem de links avisa, em poucos segundos, se um site pode oferecer alguma característica maliciosa.

Soluções - Utilize soluções de segurança no celular que oferecem proteção contra clonagem no WhatsApp. O dfndr security, por exemplo, envia alertas de segurança para os usuários sempre que uma tentativa de clonagem é detectada.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Twitter diz que irá analisar algoritmo de prévia de imagens após queixas de racismo por usuários

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo

Trump diz que daria 'bênção' a negócio entre Oracle e TikTok; governo fala em adiar bloqueio ao app

Lei Geral de Proteção de Dados: o que muda para os cidadãos? Veja perguntas e respostas