Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Explicação

Procon-SP vai notificar Apple no Brasil por lentidão em iPhones antigos

Nesta semana, a empresa concordou em pagar indenização que pode chegar a US$ 500 milhões num processo que corre na Justiça dos Estados Unidos.

A Apple terá que se explicar ao Procon do Estado de São Paulo por causa da lentidão em iPhones antigos. (Foto: Reprodução)

Por

A Apple terá que se explicar ao Procon do Estado de São Paulo por causa da lentidão em iPhones antigos. Nesta semana, a empresa concordou em pagar indenização que pode chegar a US$ 500 milhões num processo que corre na Justiça dos Estados Unidos. Agora, o órgão de defesa do consumidor questiona se o mesmo tratamento será dado aos consumidores daqui. “Uma vez que o produto é o mesmo, o dano e a lesão são idênticos”, diz a nota de Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP.

O montante acordado na Justiça americana equivale a cerca de R$ 2,2 bilhões. Cada consumidor afetado pelo problema teria direito a US$ 25, o que dá aproximadamente R$ 117.

Entenda o caso
Tudo começou em 2017, quando a Apple liberou uma atualização do sistema iOS com um novo recurso para prevenir que os celulares parassem de funcionar. A solução seria aplicada em modelos mais antigos e cuja bateria estava em processo de enfraquecimento – o que é normal em todos os telefones, não só nos da Apple. A velocidade máxima do iPhone foi reduzida para evitar desligamentos ou travamentos.

Consumidores descobriram a nova tecnologia, até então mantida em segredo, e criticaram a companhia por obsolescência programada. A Apple pediu desculpas, disse que não tinha a intenção de reduzir a vida útil do aparelho, e liberou nos ajustes de sistema a opção de ativar ou desativar a função. Também deu desconto agressivo na substituição do componente.

O tema foi judicializado por organismos de defesa do consumidor. Parte deles alegava que a empresa agiu sem transparência. Outra parte alegava que os fãs da marca foram induzidos ao erro: pagaram pela troca de bateria ou trocaram de smartphone por acharem ser necessário, quando na verdade se tratava de uma mudança no software conduzida pela fabricante.

O acordo milionário feito nos Estados Unidos inclui os donos dos iPhone 6, iPhone 6 Plus, iPhone 6S, iPhone 6S Plus, iPhone 7, iPhone 7 Plus e iPhone SE. Já na França, a companhia foi multada em 27 milhões de euros pelo mesmo motivo, o equivalente a R$ 140 milhões.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Aplicativos iFood, Amazon, Disney+ e mais ficam fora do ar nesta terça-feira

UFCG é escolhida pela Anatel para conduzir estudos sobre segurança cibernética em 5G

Usuária do Twitter "previu" incêndio na Boate Kiss um ano e meio antes da tragédia

Procon-SP multa Facebook em R$ 11 milhões por apagão no WhatsApp