Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Aquecimento Global

Terra tem aumento de retenção de calor sem precedentes

O estudo publicado aponta para a importância desse balanço energético, que, quando positivo (como é o caso agora), acaba sendo traduzido em "sintomas" como aumento de temperatura global e oceânica e elevação do nível do mar.

De toda forma, o período analisado é curto e, por isso, não permite conclusões mais amplas. (Foto: Reprodução)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — Uma pesquisa de cientistas da Nasa e da Noaa (Agência de Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos), recentemente publicada no periódico científico Geophysical Research Letters, mostra um aumento da energia aprisionada na Terra no período que começa em meados de 2005 e se estende até meados de 2019.

Mas o que esse desequilíbrio energético da Terra (na sigla inglesa, EEI, que significa Earth's Energy Imbalance) de fato significa? Trata-se, basicamente, da diferença entre a energia solar que fica na Terra e o que "refletido" para o espaço.

O estudo publicado aponta para a importância desse balanço energético, que, quando positivo (como é o caso agora), acaba sendo traduzido em "sintomas" como aumento de temperatura global e oceânica e elevação do nível do mar.

Cerca de 90% desse excesso de energia do desequilíbrio acaba nos oceanos, o que possibilitou uma parte das medições e coletas de dados, a partir de boias marítimas do programa internacional Argo, relacionados ao fenômeno. A outra parte da coleta de dados foi feita a partir do Ceres (Clouds and the Earth's Radiant Energy System), da Nasa, que registra valores de energia/radiação capturada e refletida. Ambas acabaram apontando para o mesmo caminho, o aquecimento.

"As tendências que observamos foram bastante alarmantes, em certo sentido", afirmou Norman Loeb, autor do estudo e pesquisador do Ceres/Nasa em comunicado. "As duas maneiras de olhar para as mudanças no desequilíbrio de energia da Terra estão em concordância muito, muito boa, e ambas mostram essa tendência muito grande, o que nos dá muita confiança de que o que estamos vendo é um fenômeno real."

Parte do problema está na ação humana de emissões de gases-estufa. Com eles, como o CO2, por exemplo, mais radiação fica "presa" no planeta (daí a ideia de efeito estufa), o que leva a derretimento de geleiras e alterações em nuvens -acontecimentos que, por sua vez, também acabam contribuindo para o aquecimento da Terra.

Mas, ao mesmo tempo, a responsabilidade no caso apresentado no estudo não é só humana. Uma oscilação natural de temperatura no oceano Pacífico também teve um papel importante no desequilíbrio.

"É provavelmente uma mistura de forças antropogênicas e variabilidade interna", afirmou Loeb. "E, nesse período, ambos estão causando aquecimento, o que leva a uma mudança grande no desequilíbrio de energia da Terra. A magnitude do aumento não tem precedentes."

De toda forma, o período analisado é curto e, por isso, não permite conclusões mais amplas.

O pesquisador da Nasa alerta, contudo, para o fato de que, caso a absorção de calor na Terra não diminua, esperam-se maiores mudanças climáticas do que as que já estão em curso.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Conheça o 'kart voador' de R$ 520.000; cliente do Brasil é um dos compradores do veículo elétrico

Arqueólogos descobrem sinais de meteorito que pode ter originado história de Sodoma e Gomorra

Meteoro explode sobre a fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai

iPhone 13: Apple começa pré-venda no Brasil; veja os preços