Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Tecnologia

Editoria sobre Tecnologia ir para editoria →

Tecnologia

Tribunal suspende restrição a Huawei, e Suécia adia leilão de 5G

Segundo a Suécia, a medida seguia "avaliações feitas pelas Forças Armadas suecas e pelo Serviço de Segurança para garantir que o uso de equipamento de rádio nessas faixas não cause danos para a segurança da Suécia".

Sem a participação das chinesas, o certame favoreceria as empresas Ericsson, sueca, e Nokia, finlandesa, principais concorrentes na tecnologia 5G. (Foto: Reprodução)

Por

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) — O departamento que regula telecomunicações na Suécia (PTS) suspendeu os leilões de espectro para a tecnologia 5G após uma decisão judicial liminar que barrou barreiras colocadas contra a participação da chinesa Huawei.

Em comunicado sobre o leilão, marcado para este mês, o órgão regulador determinou que "novas instalações e novas implementações de funções centrais para o uso de rádio nas bandas de frequência não devem ser realizadas com produtos dos fornecedores Huawei ou ZTE".

Segundo a Suécia, a medida seguia "avaliações feitas pelas Forças Armadas suecas e pelo Serviço de Segurança para garantir que o uso de equipamento de rádio nessas faixas não cause danos para a segurança da Suécia".

No comunicado, o PTS também estipulava que empresas que participassem de leilões de espectro 5G deveriam remover componentes das empresas chinesas até 1º de janeiro de 2025.

A Huawei entrou com recurso na semana passada. "A decisão tomada não é boa para os clientes nem para a Suécia em geral", disse na ocasião o vice-presidente executivo da Huawei para a Europa Central e Oriental e Região Nórdica, Kenneth Fredriksen.

O Tribunal Administrativo de Estocolmo determinou que as restrições feitas pela PTS estavam suspensas até uma decisão judicial definitiva, o que permitiria o envolvimento da Huawei no leilão, cujo início aconteceria nesta semana.

"Saudamos a decisão do tribunal em relação à liminar. Esperamos nos engajar em um diálogo construtivo com as partes interessadas relevantes, incluindo PTS, e continuar nossa contribuição para a indústria sueca de tecnologia e para a digitalização da Suécia", disse ao jornal Folha de S. Paulo um porta-voz da Huawei nesta quarta (11).

Sem a participação das chinesas, o certame favoreceria as empresas Ericsson, sueca, e Nokia, finlandesa, principais concorrentes na tecnologia 5G.

Os leilões oferecerão frequências nas bandas de 3,5 GHz e 2,3 GHz, cruciais para 5G, porque têm alta capacidade de transporte de dados. A tecnologia de redes móveis ultrarrápidas permite que aparelhos domésticos, máquinas industriais e carros, por exemplo, sejam conectados à internet de forma mais confiável e com respostas imediatas.

Maior fornecedora de equipamentos de rede de telefonia no mundo hoje, a Huawei é pivô de uma investida geopolítica dos Estados Unidos, que pressionam aliados (incluindo o Brasil) a excluí-la de sua infraestrutura de telecomunicações.

Japão, Reino Unido e França já barraram, na prática, a Huawei do 5G, e espera-se que a Alemanha tome caminho semelhante.

No mês passado, ao justificar a proibição de participação na Suécia, o diretor do Serviço de Segurança, Klas Friberg, afirmou que "o Estado chinês está conduzindo espionagem cibernética para promover seu próprio desenvolvimento econômico e desenvolver suas capacidades militares".

Segundo ele, a China coleta informações e se apropria de tecnologia, pesquisa e desenvolvimento: "Isso é o que devemos considerar ao construir a rede 5G do futuro. Não podemos comprometer a segurança da Suécia".

Em resposta, a Huawei afirmou que "não há qualquer base factual para apoiar as suposições de que a Huawei representa qualquer ameaça à segurança".

A empresa afirma que mais de 30 anos de atuação em mais de 170 países e 20 anos na Suécia nunca houve registro de incidentes de segurança importantes. "A exclusão da Huawei não tornará as redes 5G suecas mais seguras. Em vez disso, a competição e a inovação serão severamente prejudicadas", disse o grupo chinês.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

YouTube amplia suspensão de Trump por tempo indeterminado

Primeiro implante de córnea artificial restaura visão de homem de 78 anos

Justiça dos EUA rejeita pedido da Parler para que Amazon restaurasse a hospedagem da rede social

Apple avalia iPhone com tela dobrável