Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Televisão

Editoria sobre Televisão ir para editoria →

Denúncia

Sikêra Jr e RedeTV! são acusados no Ministério Público por homofobia e transfobia

Documento pede investigação de condutas do apresentador e da emissora.

Sikera é acusado de atacar os LGBTQI+ ao tentar "associar drogas e substâncias entorpecentes ao grupo, promover discurso de ódio e transfobia, com intuito meramente de ganhar audiência". (Foto: Reprodução)

Por

As acusações da Associação dos LGBTQI+ contra o apresentador Sikêra Jr e a RedeTV! chegaram ao Ministério Público de São Paulo. Representada pelo ativista Agripino Magalhães, a instituição pede ao órgão a abertura de inquérito policial para investigar a conduta do comunicador e da emissora na qual ele apresenta o 'Alerta Nacional'.

No documento, elaborado pelo advogado Ângelo Carbone, Sikera é acusado de atacar os LGBTQI+ ao tentar "associar drogas e substâncias entorpecentes ao grupo, promover discurso de ódio e transfobia, com intuito meramente de ganhar audiência". 

Já a RedeTV! é acusada de se omitir e não fiscalizar seus programas para impedir que "maus apresentadores, para ganhar audiência, além de escrachar os LGBTQI+, ainda coloque em risco as vidas dos mesmos.

A denúncia, que poderá ou não ser aceita pelo MP, também cita que, além dos discursos de ódio, Sikera "festeja a morte de pessoas que possam ter praticado crimes". O documento afirma que o 'Alerta Nacional' comandado por Sikera é de caráter duvidoso e temerário e criminoso". A Associação dos LGBTQI+ quer que Sikera, a RedeTV! e os funcionários envolvidos no programa respondam por possíveis crimes de homofobia, transfobia, discurso de ódio, apologia ao crime e por uma comparação dos usuários de drogas com os LGBTQI+.

O documento enviado ao MP contém prints de uma das publicações de Sikera, que foi retirada do ar pelo Instagram por ser considerada transfóbica. "Transgênero é uma pessoa que não aceita o próprio nome, o próprio corpo, a própria voz, a própria vida, mas quer ser aceito por todo mundo", diz o post removido pela plataforma. Já no 'Alerta Nacional', entre outras falas, Sikera chegou a associar usuários de drogas a homossexuais ao dizer que "todo maconheiro dá o anel".

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paraibana Adma Andrade é eliminada na 'Rodada de Fogo' do The Voice Brasil

Com Covid-19, Nicette Bruno apresenta leve piora e é entubada

Bruna Marquezine pede 'surubão 2.0' com Gagliasso e ganha resposta inusitada de Ewbank

Filmado no sertão da Paraíba, Bacurau será exibido em TV aberta pela primeira vez