Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Bolsonaro fala em 'trabalho comunitário' para baixar preço do gás de cozinha

O valor do produto ultrapassou em algumas regiões do país o valor de R$ 100.

Em sua fala, Bolsonaro também defendeu que governadores zerem o ICMS cobrado sobre o botijão. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu, nesta quinta-feira (19), uma estratégia para baixar o preço do gás de cozinha que envolve uma espécie de "trabalho comunitário".

O valor do produto ultrapassou em algumas regiões do país o valor de R$ 100.

Em sua fala, Bolsonaro também defendeu que governadores zerem o ICMS cobrado sobre o botijão.

"Eu sei que tem governador que gostaria de criar o vale-gás. Mas eu acho que, em vez do vale-gás, se zerar o imposto estadual ICMS, vai ser excelente. Sabe por quê? Nós podemos começar a tratar da venda direta do botijão de gás, a exemplo do etanol", disse Bolsonaro, durante sua live semanal.

"Você pode pegar o teu caminhãozinho, para a tua comunidade, você vive às vezes num condomínio fechado. Uma vez por mês teu caminhãozinho vai lá e compra ali 100 botijões de gás. ICMS tá zerado, o governador do teu estado vai zerar. O PIS e Cofins [tributos federais] eu zerei aqui. O frete do caminhãozinho vocês pagam do condomínio. Margem de lucro: zero. Não precisa ter lucro para quem for entregar lá, é o trabalho comunitário. Pode ter certeza, no máximo R$ 60 vai ficar o valor do botijão de gás, no máximo. Metade do preço atual. Então temos como diminuir o valor do gás de cozinha", complementou.

A fala do mandatário ocorre semanas depois de ele ter dito que o governo pretendia lançar um programa voltado para a compra de gás pela população mais carente. Segundo disse no final de julho, a Petrobras tinha R$ 3 bilhões para bancar o benefício.

"O novo presidente da Petrobras, o [Joaquim] Silva e Luna, está com uma reserva de aproximadamente R$ 3 bilhões para atender realmente esses mais necessitados. Seria um vale-gás, seria o equivalente – no que está sendo estudado até agora – a um bujão de graça a cada dois meses", disse o presidente à época.

Dias depois da fala, a Petrobras afirmou em nota que "não há definição" quanto a programas do tipo e que qualquer projeto dependeria de aprovação pela área de governança da companhia.

Bolsonaro tem sofrido com queda da sua popularidade, e as pesquisas de opinião registram favoritismo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seu adversário, para o pleito do ano que vem.

Um dos fatores que têm ampliado o desgaste do presidente é a inflação, inclusive a alta do botijão.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

CPI da Câmara Municipal de São Paulo recebe denúncia de assédio sexual contra médicos da Prevent

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas