Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Bandeira vermelha

Conta de luz ficará mais cara em junho com baixo nível de represas, diz Aneel

Em maio, vigorou a bandeira vermelha 1, que aplica cobrança adicional de R$ 4,16 para cada 100 kWh consumidos.

A conta de luz ficará mais cara, com custo de R$ 6,243 para cada 100 kWh consumidos. (Foto: Reprodução)

Por

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) informou nesta sexta-feira (28) que em junho começará a vigor a bandeira tarifária vermelha, patamar 2. Isso significa que a conta de luz ficará mais cara, com custo de R$ 6,243 para cada 100 kWh consumidos.

Segundo a agência, o motivo para a medida são os baixos níveis dos reservatórios por causa da falta de chuva. Neste ano, será a primeira vez que a bandeira vermelha 2 será acionada. Em maio, vigorou a bandeira vermelha 1, que aplica cobrança adicional de R$ 4,16 para cada 100 kWh consumidos.

"Maio foi o primeiro mês da estação seca nas principais bacias hidrográficas do SIN (Sistema Interligado Nacional), registrando condições hidrológicas desfavoráveis. Junho inicia-se com os principais reservatórios em níveis mais baixos para essa época do ano, o que aponta para um horizonte com reduzida geração hidrelétrica e aumento da produção termelétricas", afirma em nota.

Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada. As cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Com o acionamento da bandeira vermelha em seu maior patamar é importante aos consumidores ações relacionadas ao uso consciente e ao combate ao desperdício de energia, orienta a agência.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Manobra que muda teto de gastos abriria mais de R$ 80 bi no Orçamento em ano eleitoral

Nascidos em fevereiro recebem última parcela do auxílio nesta quinta-feira

Guedes confirma auxílio de R$ 400 até 2022 e diz que estuda forma de alterar teto de gastos

Caixa começa a pagar 7ª parcela do auxílio emergencial para quem não é do Bolsa Família