Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Estimativa

Governo estima perda de R$ 20 bilhões no PIB para cada semana de isolamento

Nota técnica produzida pela Secretaria de Política Econômica da pasta ainda afirma que uma ampliação do período de restrições gera aumento do custo.

País deve registrar uma perda imediata de R$ 20 bilhões, aponta estudo (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Para cada semana de isolamento social por conta do novo coronavírus, o PIB (Produto Interno Bruto) do país deve registrar uma perda imediata de R$ 20 bilhões, aponta estudo divulgado nesta quarta-feira (13) pelo Ministério da Economia.

Nota técnica produzida pela Secretaria de Política Econômica da pasta ainda afirma que uma ampliação do período de restrições gera aumento do custo. Isso porque, quanto maior o prazo de isolamento, maior o número de falências e demissões. Também é ampliado o endividamento das empresas e do governo.

De acordo com a secretaria, os custos da crise são de tal magnitude que mesmo uma recuperação rápida da atividade após a pandemia não seria capaz de impedir uma retração da economia em 2020.

"Tal projeção foi feita assumindo-se que as políticas de distanciamento social durem até o final de maio. Caso se prolonguem, o efeito econômico direto e o efeito indireto serão acentuados", afirma o documento.

A pasta trata como efeito direto a paralisação da produção e a queda mais forte do PIB. Como resultados indiretos, aponta o maior número de empresas decretando falência, o maior endividamento público e privado e o aumento na taxa de desemprego.

De acordo com a secretaria, esses fatores geram um resultado cíclico. Isso porque os efeitos indiretos acabam por provocar uma recuperação mais lenta e uma queda mais acentuada no PIB de longo prazo.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Manobra que muda teto de gastos abriria mais de R$ 80 bi no Orçamento em ano eleitoral

Nascidos em fevereiro recebem última parcela do auxílio nesta quinta-feira

Guedes confirma auxílio de R$ 400 até 2022 e diz que estuda forma de alterar teto de gastos

Caixa começa a pagar 7ª parcela do auxílio emergencial para quem não é do Bolsa Família