Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Eleições

Editoria sobre Eleições ir para editoria →

Na pandemia

Juiz condena coligação que disputa eleições em Mulungu a pagar multa de R$ 10 mil por ato de campanha com aglomeração

A coligação do PTB apresentou reclamação sobre realização de eventos eleitorais em diferentes datas com aglomeração, sem respeito às normas sanitárias na pandemia do novo coronavírus.

O juiz destacou que foram descumpridas regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral na região e deu a sentença de pagamento de multa. (Foto: Walla Santos/ClickPB/Arquivo)

Por

O juiz Glauco Coutinho Marques, da 75ª Zona Eleitoral de Gurinhém, condenou a coligação 'O Povo Agora Tem Vez', da candidata a prefeita de Mulungu, Ninha de Poço de Pau (Cidadania), ao pagamento de multa de R$ 10 mil por ter realizado ato de campanha com aglomeração de pessoas sem distanciamento e uso de máscaras. A representação foi apresentada pela coligação adversária, 'Mulungu Não Pode Parar', do candidato a prefeito Melquíades Nascimento (PTB).

A coligação do PTB apresentou reclamação sobre a realização de diversos eventos eleitorais em diferentes datas com aglomeração, sem respeito às normas sanitárias na pandemia do novo coronavírus. A coligação alegou "que no último dia 18/10/2020, na zona urbana do Município Mulungu/PB, os representados promoveram ato de propaganda eleitoral consistente em passeata e carreata, com divulgação de jingles e campanha e com presença dos candidatos e líderes das respectivas agremiações. Relata sem qualquer obediência às normas sanitárias, vez que não houve respeito ao distanciamento social e não houve uso de máscara, em completa inobservância as regras sanitárias. Também relata que no último dia 30/09/2020, em reunião na qual se fez presente o representante da coligação que realizou o ato irregular de propaganda, restou acordado entre as coligações, Ministério Público e Justiça Eleitoral que não haveria a realização de tais eventos, o que evidentemente não foi cumprido, haja vista o fato de que o ato de propaganda aqui impugnado ocorreu após a realização de visitas domiciliares e concentração agendadas pela coligação representada e com a presença dos candidatos e líderes das agremiações."

O juiz destacou que foram descumpridas regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral na região e deu a sentença de pagamento de multa. "Diante do exposto e por tudo mais que consta nos autos, JULGO PROCEDENTE os pedidos para proibir todo e qualquer evento da coligação representada que gere aglomeração sem obediências às normas sanitárias instituídas pelo Estado da Paraíba, confirmando a liminar anteriormente deferida, condenando a Coligação Representada O pagamento de multa no valor de R$ 10.000,00 (Dez Mil Reais), pela prática dos atos de propaganda realizados no dia 24.10.2020, em descumprimento da liminar deferida."


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Ministérios Públicos pedem diplomação remota dos eleitos na Paraíba para evitar aumento de casos de Covid-19

'Recebi dinheiro de dois candidatos e não votei em nenhum': como a compra de votos no Brasil ainda resiste em 2020

Secretário do TRE-PB explica que retotalização dos votos em Santa Rita ocorre após candidatos indeferidos terem recursos aceitos

Juíza convoca partidos para reprocessamento dos votos após candidatos do PSL contestarem resultado da Eleição 2020 em Santa Rita