Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Mundo

Em meio à crise do coronavírus, Congo declara nova epidemia de Ebola

O novo foco do vírus mortal ocorre em meio à pandemia de coronavírus, que infectou ao menos 3.195 pessoas e deixou 72 mortos no país, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins.

Enfermeiros tratam paciente com suspeita de Ebola em Unidade de Terapia Biosegura de Emergência (CUBE), na República Democrática do Congo - (Foto: 3/10/2019 Zohra Bensemra/Reuters)

Por

A República Democrática do Congo informou nesta segunda-feira, 1, que há uma nova epidemia de Ebola na cidade ocidental de Mbandaka, a mais de 1.000 quilômetros de um surto contínuo no leste. O novo foco do vírus mortal ocorre em meio à pandemia de coronavírus, que infectou ao menos 3.195 pessoas e deixou 72 mortos no país, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins.

O ministro da Saúde congolês, Eteni Longondo, disse que quatro pessoas que morreram em Mbandaka tiveram resultados positivos para o Ebola após testes no laboratório biomédico nacional na capital Kinshasa. “Temos uma nova epidemia de Ebola em Mbandaka”, disse Longondo. “Vamos enviar vacinas e medicamentos o mais rápido possível”, completou.

O surto foi confirmado pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. O médico publicou no Twitter: “Esse surto é um lembrete de que a Covid-19 não é a única ameaça à saúde que as pessoas enfrentam”.

O coronavírus atingiu a República Democrática do Congo no início de março, com casos importados. Sendo um dos países mais pobres do mundo, com acesso limitado à saúde, o presidente Félix Tshisekedi orientou que escolas, bares, restaurantes e locais de culto fossem fechados, além de suspender voos. No fim de março, foi estabelecido estado de emergência e as fronteiras foram bloqueadas.

Estima-se que 3.195 pessoas foram infectadas pelo vírus e que a Covid-19, doença respiratória, tenha matado 72 congoleses. Contudo, a falta de recursos e de segurança, acentuada por conflitos armados no leste do país, aumenta o risco de infecção e dificulta o acesso da população a tratamento hospitalar. Cerca de 43% das famílias têm acesso à água potável no país (69% nas áreas urbanas, 23% nas áreas rurais) e apenas 20% têm acesso ao saneamento, segundo o Banco Mundial.

A situação conturbada do país também impede profissionais da saúde de realizarem testes para o vírus. Segundo Michel Yao, chefe de situações de emergência na África para a OMS, todas as amostras coletadas precisam ser enviadas à capital Kinshasa para os resultados, o que atrasa a operação. Por isso, há suspeita de que haja subnotificação dos casos e mortes pela Covid-19.

O Congo luta para acabar com um surto de Ebola ativo há quase dois anos perto das fronteiras ao leste com Ruanda e Uganda. Lá, o vírus já matou mais de 2.200 pessoas, o surto mais mortal da doença já registrado, após a epidemia generalizada no leste da África de 2013 a 2016 – que exportou o Ebola para os Estados Unidos, Reino Unido, Itália e Espanha.

Em abril, o país estava preparado para declarar o fim do surto contínuo, seu décimo desde que o vírus foi descoberto em 1976. Contudo, um novo foco infecções foi confirmado no leste, o que atrasou a declaração. No entanto, nenhum novo caso é detectado lá há mais de 30 dias.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Trump anuncia que iniciou retirada formal dos EUA da OMS

Goleiro russo de 16 anos é atingido por raio durante treino e entra em coma

Morrem aos 68 anos, gêmeos siameses mais velhos do mundo

Ameba 'comedora de cérebro': caso de infecção na Flórida gera alerta nos EUA