Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Mundo

EUA tentarão voltar ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, diz secretário de Estado

O governo de Joe Biden anunciou nesta quarta-feira (24) a candidatura dos Estados Unidos a uma cadeira no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

o secretário de Estado americano, Antony Blinken (Foto: Reprodução)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — Tentando reverter mais uma das decisões do ex-presidente Donald Trump, o governo de Joe Biden anunciou nesta quarta-feira (24) a candidatura dos Estados Unidos a uma cadeira no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

"Tenho o prazer de anunciar que os EUA buscarão a eleição para o Conselho de Direitos Humanos para o mandado de 2022 a 2024", disse o secretário de Estado americano, Antony Blinken, durante uma videoconferência com membros da entidade.
"Pedimos humildemente o apoio de todos os Estados membros da ONU em nossa tentativa de retornar a um assento nesse órgão", acrescentou.

Em 2018, Trump anunciou a saída da instituição com sede em Genebra, na Suíça, acusando o Conselho de hipocrisia e perseguição a Israel.

Em sua fala, Blinken repetiu, em partes, a crítica, alegando que o Conselho precisa "examinar a maneira como conduz seus negócios, incluindo o foco desproporcional em Israel".

Desde que foi estabelecido, o órgão trata as disputas entre israelenses e palestinos como um item independente em cada sessão. É o único tópico que recebe esse tratamento, ao qual os americanos, tanto os democratas quanto os republicanos, têm manifestado oposição.

Blinken disse ainda que países "com os piores históricos de direitos humanos não deveriam ser membros deste Conselho" e fez críticas nações como China, Rússia, Venezuela, Nicarágua, Cuba e Irã, mas também reconheceu que os EUA tem problemas para resolver internamente, em especial o racismo sistêmico e a desigualdade econômica.

As eleições para o Conselho de Direitos Humanos estão previstas para outubro, durante a Assembleia Geral da ONU.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Bernie Madoff, criminoso que deu o maior golpe financeiro de todos os tempos, morre na prisão aos 82 anos

Primeiro-ministro da França cita cloroquina no Brasil ao rebater deputado e provoca risos

Justiça argentina absolve Cristina Kirchner em ação por delito financeiro

Biden vai adiar saída dos EUA do Afeganistão para 11 de setembro