STF

Ministro Nunes Marques suspende julgamento sobre restrições a políticos no comando de estatais

Caso é de interesse do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tenta garantir essas flexibilizações nas regras para as nomeações.

Ministro Nunes Marques suspende julgamento sobre restrições a políticos no comando de estatais

Ministro Nunes Marques — Foto:Reprodução

O ministro Nunes Marques suspendeu nesta quarta-feira (6) o julgamento sobre a validade das restrições impostas para nomeação de cargos de diretores e conselheiros em empresas estatais.

Ele pediu vista (mais tempo para análise) e pode ficar até 90 dias com o processo. Não há data para o caso ser retomado pela Corte.

Até o momento, há um voto a favor de flexibilizar os critérios, abrindo caminho para a indicação de políticos aos cargos, e um contrário.

O relator, Ricardo Lewandowski (aposentado), votou para derrubar parte das restrições. André Mendonça divergiu e votou para manter as normas.

O caso é de interesse do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tenta garantir essas flexibilizações nas regras para as nomeações.

Conforme mostrou a CNN, integrantes do governo entendem que era preciso ganhar tempo para que o Supremo analise o caso. O ideal para o Palácio do Planalto seria que o julgamento fosse retomado quando a Corte estiver com a formação completa, ou seja, com os 11 ministros.

Julgamento

Os ministros do STF analisam a validade de um trecho da Lei das Estatais, aprovada em 2016 durante o governo de Michel Temer (MDB).

As regras proíbem, por exemplo, a escolha para conselho ou diretoria de estatal de ministros ou secretários de governo, ou de pessoa que tenha participado nos últimos três anos de estrutura decisória de partido político ou na organização e realização de campanha eleitoral.

Essas restrições foram derrubadas por decisão liminar (provisória) do então ministro do STF Ricardo Lewandowski, de março deste ano.

A liminar dada por Lewandowski segue válida até que haja uma definição da Corte no julgamento que foi retomado nesta quarta (6).

Antes da liminar, o STF já havia começado a analisar a validade das restrições, em março deste ano. Depois do voto de Lewandowski, o ministro André Mendonça pediu vista.

Na retomada do julgamento nesta quarta (6), Mendonça divergiu do relator e votou para manter as proibições da lei.

O voto de Lewandowski no julgamento segue válido, mesmo com a sua aposentadoria. Por isso, seu sucessor, Cristiano Zanin, não vota no caso.

A ação foi apresentada pelo PCdoB em dezembro de 2022. No mesmo mês, a Câmara aprovou mudança semelhante na lei. O texto não avançou no Senado.

Votos

Ao votar, Lewandowski propôs derrubar as proibições relacionadas a ocupação de cargos em diretorias e conselhos de estatais por ministro de Estado, secretários de governos estaduais ou municipais e titular de cargo não permanente no serviço público de natureza especial ou de direção e assessoramento superior na administração pública.

O ministro também votou para derrubar a necessidade de uma “quarentena” de 36 meses para indicações daqueles que participaram de estrutura decisória de partido político ou que atuaram em trabalho vinculado a organização, estruturação e realização de campanha eleitoral.

Para o relator, só deve ser proibido manter o vínculo partidário depois do efetivo exercício no cargo da estatal.

O ministro entendeu que devem permanecer outras regras da lei, como restrições a dirigente estatutário de partido político e titular de mandato no Poder Legislativo (mesmo que licenciado) assumirem os cargos nas estatais.

O voto do ministro não afeta outros requisitos estabelecidos pela lei para ocupar as posições em estatais. Os indicados ainda devem ter, por exemplo, reputação ilibada, notório conhecimento na área e experiência no setor.

Lewandowski afirmou que as proibições da lei são “discriminações desarrazoadas e desproporcionais –por isso mesmo, inconstitucionais– contra aqueles que atuam, legitimamente, na esfera governamental ou partidária”.

Segundo ele, a lei, embora bem-intencionada, não levou em conta parâmetros técnicos ou profissionais.

Lewandowski afirmou que a Lei de Estatais incorporou sistema jurídico “inúmeras regras de governança corporativa, indiscutivelmente positivas, que contribuem para conferir mais transparência, controle, previsibilidade e imparcialidade às atividades das empresas estatais a ela submetida”.

Conforme o ministro, as proibições da norma, “além de não levarem em conta nenhum parâmetro de natureza técnica ou profissional com vistas a garantir a boa gestão das empresas estatais sob escrutínio, introduziram no texto legal preocupações alheias a tal âmbito”.

Para Mendonça, as restrições estabelecidas na Lei das Estatais não violam direitos fundamentais garantidos pela Constituição e não são desproporcionais.

O ministro disse que a norma atende a uma regulação específica da Constituição e está inserida em um “contexto de boa governança pública em todo mundo”.

Para o magistrado, há também “consonância” da lei com padrões internacionais para o tema.

“Não há a meu juízo qualquer violação ao núcleo essencial de qualquer direito fundamental em jogo”, afirmou. “A norma está situada dentro do legítimo espaço de conformação garantido ao legislador.”

COMPARTILHE

Bombando em Política

1

Política

João Azevêdo discute parcerias no turismo, cultura e artesanato com embaixador do Brasil no Marrocos, em Portugal

2

Política

Acre tem 17 municípios em situação de emergência por causa da chuva

3

Política

Prefeitura de Água Branca vira alvo do Ministério Público por contratar MEIs no lugar de servidores

4

Política

TRE-PB multa em R$ 50 mil candidatos a prefeito e vice de Sapé por realização de evento com aglomeração durante pandemia

5

Política

Ronaldo Guerra diz que prefeito Emerson Panta pediu comando do PSB em Santa Rita e ofereceu vaga de vice na chapa em 2024