Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

No Napoleão Laureano

Paciente denuncia falta de medicamento para quimioterapia e interrupção de tratamento há três semanas

Ela já deixou de fazer três sessões, já que usa do ‘Taxol’ uma vez por semana, e disse que faltam seis doses para terminar essa fase do tratamento contra a doença.

ClickPB recebeu denúncia de que faltam medicamentos para tratamento contra o câncer, no Laureano (Foto: Walla Santos/ClickPB)

Por

O portal ClickPB recebeu uma denúncia de que faltam medicamentos para o tratamento contra o câncer no Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa. Uma paciente está há três semanas com as sessões de quimioterapia contra o câncer de mama interrompidas por causa da falta do remédio ‘Taxol’.

Ela já deixou de fazer três sessões, já que usa do ‘Taxol’ uma vez por semana, e disse que faltam seis doses para terminar essa fase do tratamento contra a doença. A mulher chegou a pesquisar o preço do medicamento em dois hospitais particulares para não ter a saúde prejudicada. As unidades disseram que ela precisava enviar a prescrição médica para dar a ela a estimativa de preço.

Uma amiga da paciente que denunciou o caso pesquisou o valor do ‘Taxol’ em farmácias. Ele custa R$ 900 nesses estabelecimentos consultados.

O ClickPB entrou em contato com a assessoria do Hosital Napoleão Laureano e foi informado de que realmente há falta do ‘Taxol’ e também de outros medicamentos para o tratamento de pacientes. Ainda segundo a assessoria, foi feita solicitação, na semana passada, dos remédios em falta e que o processo de chegada não é simples porque são fornecedores de Recife e de São Paulo.

Ela desabafou sobre a procura em diversos locais pelo medicamento para a própria sobrevivência. “Eu só queria ter uma estimativa para ver o que fazer: se desiste mesmo e entrega as fichas ou se dá para lutar ainda alguma coisa.”

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Mulher acorda do coma 27 anos após acidente de carro nos Emirados Árabes

Medicamento para tratar AME deve estar disponível no SUS em 180 dias

Bebê que teve pés queimados durante banho em hospital de Itabaiana recebe alta médica

Criança de cinco anos morre com suspeita de dengue hemorrágica na Paraíba