Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Saúde

Editoria sobre Saúde ir para editoria →

No Napoleão Laureano

Paciente denuncia falta de medicamento para quimioterapia e interrupção de tratamento há três semanas

Ela já deixou de fazer três sessões, já que usa do ‘Taxol’ uma vez por semana, e disse que faltam seis doses para terminar essa fase do tratamento contra a doença.

ClickPB recebeu denúncia de que faltam medicamentos para tratamento contra o câncer, no Laureano (Foto: Walla Santos/ClickPB)

Por

O portal ClickPB recebeu uma denúncia de que faltam medicamentos para o tratamento contra o câncer no Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa. Uma paciente está há três semanas com as sessões de quimioterapia contra o câncer de mama interrompidas por causa da falta do remédio ‘Taxol’.

Ela já deixou de fazer três sessões, já que usa do ‘Taxol’ uma vez por semana, e disse que faltam seis doses para terminar essa fase do tratamento contra a doença. A mulher chegou a pesquisar o preço do medicamento em dois hospitais particulares para não ter a saúde prejudicada. As unidades disseram que ela precisava enviar a prescrição médica para dar a ela a estimativa de preço.

Uma amiga da paciente que denunciou o caso pesquisou o valor do ‘Taxol’ em farmácias. Ele custa R$ 900 nesses estabelecimentos consultados.

O ClickPB entrou em contato com a assessoria do Hosital Napoleão Laureano e foi informado de que realmente há falta do ‘Taxol’ e também de outros medicamentos para o tratamento de pacientes. Ainda segundo a assessoria, foi feita solicitação, na semana passada, dos remédios em falta e que o processo de chegada não é simples porque são fornecedores de Recife e de São Paulo.

Ela desabafou sobre a procura em diversos locais pelo medicamento para a própria sobrevivência. “Eu só queria ter uma estimativa para ver o que fazer: se desiste mesmo e entrega as fichas ou se dá para lutar ainda alguma coisa.”

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Operadora de saúde economiza mais de R$ 38 milhões com corte de contratos para garantir sustentabilidade

Governo federal pretende ampliar serviços e horários de postos de saúde

Família reclama que UPA ainda não transferiu idoso com problemas renais para hospital adequado

CRM-PB desinterdita médicos da UPA de Cruz das Armas após conseguir segurança para profissionais