Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Notícias Policiais

Editoria sobre Policial ir para editoria →

Investigação

Três militares da Marinha são presos sob suspeita de matar perito da polícia

Crime ocorreu após discussão entre policial e pai de um dos militares; segundo investigação, viatura da Marinha foi usada para ocultar o corpo

Renato Couto Mendonça, perito da Polícia Civil, morto por quatro homens, sendo três militares da Marinha, no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução)

Por

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Três militares da Marinha foram presos neste domingo (15) no Rio de Janeiro sob suspeita de envolvimento na morte de um perito da Polícia Civil. O crime, segundo a investigação, ocorreu em razão de uma discussão num ferro-velho.

De acordo com a polícia, os militares e mais um homem, também detido, usaram uma viatura da Marinha para sequestrar o agente, que havia sido baleado em uma briga, e lançá-lo no rio Guandu, que passa sob o Arco Metropolitano.

Segundo a Delegacia de Homicídios, a desavença começou após uma discussão entre o papiloscopista do IIFP (Instituto de Identificação Félix Pacheco) Renato Couto Mendonça e Lourival Ferreira de Lima, dono de um ferro-velho na Mangueira, zona norte da capital.

Segundo relatos de testemunhas à polícia, o perito teria ido se queixar de peças furtadas numa obra na praça da Bandeira. Ele atribuiu a Lourival a responsabilidade do sumiço.

O dono do ferro-velho teria, então, chamado o filho, o sargento da Marinha Bruno Santos de Lima. O militar e o perito discutiram e brigaram fisicamente e, de acordo com a investigação, Mendonça acabou baleado na confusão.

Após ferir o perito, o sargento pediu auxílio ao cabo Daris Fidelis Motta e ao sargento Manoel Vitor Silva Soares, todos também da Marinha. Os três, segundo informações obtidas pela Divisão de Homicídios, levaram Mendonça até o rio Guandu e o lançaram na água.

Ainda não se sabe se o policial já estava morto quando foi jogado no rio. O corpo não havia sido localizado até a publicação desta reportagem.

A prisão dos quatro foi efetuada pela Divisão de Homicídios e pela 18ª Delegacia de Polícia, que recebeu informações sobre o crime. Eles foram indiciados por ocultação de cadáver.

A Folha não conseguiu contato com as defesas dos suspeitos. Procurada, a Marinha ainda não se posicionou sobre o caso.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Operação Vape apreende centenas cigarros eletrônicos e produtos para venda proibidos por lei

Policial baleado em tentativa de assalto em Campina Grande recebe alta hospitalar

Polícia Civil prende dois e faz maior apreensão de anabolizantes já registrada na Paraíba

Polícia Civil cumpre mandado da Justiça do Ceará e prende homem em João Pessoa