Notas

Cartaxo desmente denúncia de nepotismo na Prefeitura de João Pessoa

Nota desmente acusação de nepotismo.

A coligação Força da União por João Pessoa enviou nota desmentindo denúncia da candidata Cida Ramos (PSB) de que existiriam casos de nepotismo na prefeitura de João Pessoa.

Leia:

Em respeito à população e à verdade dos fatos, a Coligação Força da União por João Pessoa vem a público esclarecer que:
1. A Prefeitura de João Pessoa não possui nenhum caso vinculado à Lei do Nepotismo envolvendo familiares do prefeito Luciano Cartaxo.
2. A legislação é clara ao afirmar que os servidores concursados não se enquadram na Lei do Nepotismo.
3. Célia Pires de Sá é servidora de carreira, aprovada por concurso público, em 2010, para a Secretaria Municipal de Saúde, no cargo de sanitarista.
4. Está provado que as falsas denúncias feitas pela oposição não passam de uma tentativa desesperada de atacar a gestão liderada pelo Prefeito Luciano Cartaxo, reconhecida como uma das cidades mais transparentes do país e da Paraíba pela Controladoria-Geral da União (CGU), pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).
5. No afã de tentar tirar do marasmo sua candidatura, o palanque adversário, inclusive, expõe de maneira irresponsável os nomes de servidores concursados, sem qualquer relação entre sobrenome e as funções que ocupam, e que estão na administração há mais de uma década.
6. Por fim, informamos que continuaremos firmes com o propósito de realizar uma campanha limpa, propositiva, voltada a discutir o desenvolvimento e o futuro de João Pessoa.

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaques

ver blog →

Quando a esquerda deixou de ser povo?

Senadores temem que prisões dentro da Casa se tornem hábito

Marcos Vinícius já é favorito na disputa pela presidência da CMJP

Uber: só no fim do mundo alguém poderia contestar