Notas

Eduardo Cunha e o voto de Wellington Roberto

Cunha elevou a arte da picaretagem ao máximo! Foi algoz e ídolo da democracia, sem que jamais desse a mínima para princípios éticos. Foi o grande responsável pela perda do mandato de Dilma Rousseff, sem ter qualquer moral para pontar o dedo para as falcatruas dos seus adversários. Ajudou o Brasil a mergulhar na crise e apontou a saída desta mesma crise, ainda que só buscasse sua vingança. Assim foi Eduardo Cunha, para Roberto Jefferson, Meu Malvado Favorito.

Quem comentar qualquer fato político nacional entre os anos de 2014 a 2016 e não mencionar o ex-deputado, Eduardo Cunha (PMDB), estará distorcendo um dos momentos mais importantes da História do Brasil.

Cunha elevou a arte da picaretagem ao máximo! Foi algoz e ídolo da democracia, sem que jamais desse a mínima para princípios éticos. Foi o grande responsável pela perda do mandato de Dilma Rousseff, sem ter qualquer moral para pontar o dedo para as falcatruas dos seus adversários. Ajudou o Brasil a mergulhar na crise e apontou a saída desta mesma crise, ainda que só buscasse sua vingança. Assim foi Eduardo Cunha, para Roberto Jefferson, Meu Malvado Favorito.

Cunha tinha aliados na Paraíba, os deputados Hugo Motta e Manoel Júnior, ambos peemedebistas, além de Wellington Roberto (PR). Hugo não teve qualquer condição de partir em defesa do “amigo”, diante dos problemas enfrentados em Patos, já Manoel Júnior é candidato a vice-prefeito de João Pessoa e uma aproximação exagerada com Cunha neste momento poderia ter um preço alto. Resumindo, sobrou para Wellington que prometeu e votou, ao lado de nove parlamentares, pela absolvição de Cunha.

Para a maior parte dos brasileiros fica a certeza que mais um corrupto caiu, ainda que sua queda tenha sido provocada “apenas” por ter mentido à Comissão que apurava suas estripulias, o que cá pra nós faz pensar se não seria justo cassar os mandatos de muita gente que mente sem rancor.

Para Wellington, na prática, não fica nenhum desgaste! Para Cunha a estrada é tortuosa.

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaques

ver blog →

Quando a esquerda deixou de ser povo?

Senadores temem que prisões dentro da Casa se tornem hábito

Marcos Vinícius já é favorito na disputa pela presidência da CMJP

Uber: só no fim do mundo alguém poderia contestar