Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Vamos tocar a vida, diz Bolsonaro sobre iminência de 100 mil mortes por Covid-19

A declaração foi feita ao lado do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, em sua live noturna semanal.

Mais cedo, em uma cerimônia no Palácio do Planalto, Bolsonaro disse que está com a consciência tranquila e que fez "o possível e o impossível" para salvar vidas. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Na iminência de o Brasil registrar 100 mil mortes por causa do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (6) que é preciso "tocar a vida" e aconselhou que se busque uma maneira de "se safar" da doença.

A declaração foi feita ao lado do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, em sua live noturna semanal.

"A gente lamenta todas as mortes. Já está chegando ao número de 100 mil, talvez hoje... [Pazuello diz que será ainda nesta semana]. Vamos tocar a vida. Tocar a vida e buscar uma maneira de se safar deste problema", disse o presidente da República.

LEIA MAIS: Brasil registra 1.226 mortes pela Covid-19 e se aproxima dos 100 mil óbitos

Nesta quinta, o Brasil registrou 1.226 novas mortes pela doença, chegando a um total de 98.644 óbitos, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

Em quase uma hora de transmissão, Bolsonaro voltou a defender o uso da hidroxicloroquina, medicamento que não tem eficácia cientificamente comprovada para o tratamento da Covid-19. Como já fez outras vezes, o chefe do Executivo tinha uma caixa do remédio sobre a mesa.

O presidente voltou a criticar prefeitos e governadores que assinaram decretos para fechar o comércio em suas localidades como maneira de conter a disseminação do vírus. Bolsonaro os chamou de ditadores e disse que tomaram esse tipo de medida "na mão grande".

Mais cedo, em uma cerimônia no Palácio do Planalto, Bolsonaro disse que está com a consciência tranquila e que fez "o possível e o impossível" para salvar vidas.

LEIA MAIS: Bolsonaro diz que fez 'o possível e o impossível' para evitar mortes por Covid-19

"Estamos com a consciência tranquila. Não existia, naquela época, como não existe, uma vacina, não existia medicamento, apenas a promessa, no primeiro momento, da hidroxicloroquina, depois outras coisas apareceram", disse o presidente no Palácio do Planalto, no ato fechado à imprensa, mas transmitida pela TV pública.

"Junto com os meios que nós temos, temos como realmente dizer que fizemos o possível e o impossível para salvar vidas ao contrário daqueles que teimam em continuar na oposição, desde 2018", disse o presidente.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Declaração de Joe Biden sobre Amazônia foi 'desastrosa e gratuita', diz Bolsonaro

Deputado estadual morre vítima de Coronavírus

Bolsonaro deve nomear Kassio Nunes para vaga no Supremo Tribunal Federal, diz colunista

Decisão do STF sobre depoimento oral de Bolsonaro terá videoconferência ao vivo