Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

Paulo Guedes: 'Em nenhum momento eu pedi demissão, em nenhum momento o presidente insinuou'

Ministro da Economia concedeu entrevista ao lado do presidente Jair Bolsonaro nesta sexta, após debandada de secretários e planos de furar o teto de gastos para irrigar Auxílio Brasil.

O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Edu Andrade / Ministério da Economia)

Por

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira (22) que não pediu demissão do cargo em nenhum momento nos últimos dias. Ele também negou que o presidente Jair Bolsonaro tenha "insinuado" sua saída do cargo.

"Eu não pedi demissão, em nenhum momento eu pedi demissão. Em nenhum momento o presidente insinuou qualquer coisa semelhante. Quando eu me referi ao André Esteves, é porque eu soube que enquanto eu estava lá fora teve uma movimentação política aqui", disse Guedes.

Durante coletiva ao lado de Bolsonaro, no Ministério da Economia, Guedes cometeu um ato falho e disse que tinha escolhido o executivo André Esteves, do BTG Pactual, para comandar a Secretaria de Orçamento e Tesouro. Na verdade, o escolhido foi o ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago.

"Normalmente, eu não falo que sejam ministros não. Existe uma legião de fura-tetos, o teto é desconfortável. O teto obriga as pessoas a fazerem escolhas, tudo isso", disse Guedes.

A entrevista aconteceu inicialmente ao lado do presidente Bolsonaro, que deixou o Ministério da Economia após um pronunciamento e sem responder a perguntas.

A visita ao prédio ocorreu após uma semana de fortes tensões no mercado financeiro por conta da proposta de furar o teto de gastos - mecanismo que limita a alta dos gastos públicos à inflação do ano anterior. 

Ele citou a necessidade de dar um reajuste maior ao Bolsa Família, acima dos R$ 300 que se enquadrariam dentro dos limites legais do teto de gastos.

“O governo não podia ficar parado [diante das necessidades da população]. O presidente [Bolsonaro] disse que precisava de uma solução, pois a situação dos mais frágeis piorou. Vamos ter de gastar um pouco mais, e começamos a construir isso juntos”, afirmou.

'Confiança absoluta', diz Bolsonaro

Na visita ao Ministério da Economia, Bolsonaro disse ter "confiança absoluta" em Paulo Guedes e acrescentou que seu governo não fará "nenhuma aventura" na economia.

“Tenho confiança absoluta nele, ele entende as aflições que o governo passa. [Guedes] assumiu em 2019, fez um brilhante trabalho, quando começou 2020, a pandemia, uma incógnita a para o mundo todo”, declarou.

"Deixo claro a todos os senhores: esse valor decidido por nós tem responsabilidade. Não faremos nenhuma aventura. Não queremos colocar em risco a nada no tocante à economia", disse Bolsonaro sobre os R$ 400 que devem ser pagos no Auxílio Brasil em 2022.

Segundo o presidente, as dificuldades na economia, com crescimento da inflação, não acontecem somente no Brasil. Analistas apontam, entretanto, que as tensões políticas têm impulsionado mais as pressões inflacionárias no país, por conta da alta do dólar.

“Na economia, o Brasil é um do que menos está sofrendo, podemos crescer 5% no corrente ano. Há uma massa de pessoas, os mais necessitados, são 16 milhões de pessoas no bolsa família. O ticket médio, em R$ 192, e a gente ve esse valor como insuficiente pro mínimo”, declarou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Nova variante da Covid derruba bolsas, petróleo e criptomoedas

Black Friday 2021: sete comparadores de preços para economizar nas compras

Prefeito anuncia calendário de pagamento de novembro, dezembro e 13º dos servidores de Campina Grande

Petrobras prevê até R$ 392 bilhões em dividendos nos próximos cinco anos