Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Chinesa mata filha de 4 anos que não sabia contar até 100

A polícia do sul da China prendeu uma mulher depois que ela admitiu ter matado sua filha de 4 anos porque não sabia contar de 1 a 100.

Por

A polícia do sul da China prendeu uma mulher depois que ela admitiu ter matado sua filha de 4 anos porque não sabia contar de 1 a 100.

Investigadores levaram a mulher, identificada apenas por seu sobrenome, Du, a confessar e levaram-na sob custódia no último sábado, quatro dias depois de sua filha ter sido morta e seu corpo encontrado no lixo em uma cidade próxima, disseram o "Pequim News" e o "Southern Metropolis Daily".

Inicialmente, Du disse à polícia que sua filha, Wang Mengyu, que viveu com os avós até o último mês, havia desaparecido enquanto faziam compras em Huizhou, na populosa província de Guangdong. O marido dela havia oferecido uma recompensa de 50 mil iuans (US$ 6.400, ou cerca de R$ 13 mil) por informações que levassem à prisão do assassino.

Du contou à polícia que bateu em sua filha até ela ficar inconsciente porque a criança não sabia contar de 1 a 100. A mãe ainda teria tentado ressuscitar a menina após a surra, disseram os jornais.

A mulher depois sufocou sua filha até a morte porque ficou preocupada com as contas exorbitantes do hospital e porque seu marido ficaria bravo com ela, acrescentaram os jornais.

G1

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Evo Morales chega ao México após complexa negociação de rota de voo

Panda passa por tomografia computadorizada em Berlim

Evo Morales deixa a Bolívia rumo ao México

Apoiadores de Evo tomam La Paz aos gritos de 'guerra civil'