Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Televisão

Editoria sobre Televisão ir para editoria →

Alfinetada

Jornal Nacional enfatiza 'marco trágico' de 50 mil mortes e diz que "a História vai registrar os que se omitiram"

O telejornal fez questão de repetir a triste marca diversas vezes e destacou que "não é só um número".

“Mas a História vai registrar aqueles que se omitiram, os que foram negligentes, os que foram desrespeitosos. A História atribui glória e atribui desonra. E História fica para sempre”, finalizou Bonner. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Por

O Jornal Nacional, da TV Globo, deste sábado (20) deu ênfase na triste marca de 50 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus no Brasil e dedicou os primeiros minutos do telejornal para uma reflexão sobre a dimensão da tragédia da pandemia no país.

“É um marco trágico na pandemia, mais de 50 mil mortes, 50 mil”, disse a apresentadora Renata Vasconcellos, que destacou o conceito de nação e falou em empatia. “Uma nação chora os seus mortos e se solidariza com aqueles que perderam pessoas queridas. 50 mil”, completou.

O apresentador William Bonner ainda criticou uma “minoria muito barulhenta” que ataca o jornalismo profissional e tenta minimizar a dor da tragédia. “50 mil não é só um número, são pessoas que morreram durante uma pandemia, elas tinham família”, disse.

“Quando tudo isso passar, é a História com H maiúsculo que vai contar para as gerações futuras o que, de fato, aconteceu. A História vai registrar o trabalho valoroso de todos aqueles que fizeram de tudo para combater a pandemia, os profissionais de saúde em primeiro lugar”, completou Vasconcellos.

“Mas a História vai registrar aqueles que se omitiram, os que foram negligentes, os que foram desrespeitosos. A História atribui glória e atribui desonra. E História fica para sempre”, finalizou Bonner, em mensagem que parece ter sido direcionada ao presidente Jair Bolsonaro – que segue minimizando a pandemia.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Sikêra Jr. é condenado pela Justiça a pagar R$ 300 mil a modelo trans: 'raça desgraçada'

Daisy Coleman, do documentário ‘Audrie & Daisy’ da Netflix, morre aos 23 anos

Ex-ator de Chiquititas morre aos 73 anos vítima da Covid-19

Taís Araújo homenageia atriz Cinthya Rachel que protagonizou nos anos 1990 comercial da Tang​