Escândalo

Padre Egídio autorizou venda de 270 Iphones e tabletes e teria ficado com dinheiro, revela ex-funcionário do Hospital Padre Zé

O ex-funcionário, Samuel Rodrigues, revelou na manhã deste sábado (21) que o Padre Egídio autorizou a venda de 270 celulares modelo Iphone e tabletes e ficou com o dinheiro.

Padre Egídio autorizou venda de 270 Iphones e tabletes e teria ficado com dinheiro, revela ex-funcionário do Hospital Padre Zé

Samuel Rodrigues revelou esquema de venda de celulares no Hospital Padre Zé. — Foto:Reprodução

O ex-funcionário, Samuel Rodrigues, revelou na manhã deste sábado (21) que o Padre Egídio autorizou a venda de 270 celulares modelo Iphone e tabletes e ficou com o dinheiro. A afirmação foi feita durante entrevista a TV Arapuan.

Conforme acompanhou o ClickPB, o ex-diretor do setor de tecnologia falou que o Padre Egídio pediu para separar e guardar na sala da presidência 520 aparelhos eletrônicos, entre celulares, relógios e tabletes.

“Não houve furto de celulares. O padre Egídio pediu para vender a metade dos 520 produtos. Eu vendia e entregava o dinheiro em espécie nas mãos do padre no apartamento de luxo na orla de Cabo Branco”.

Durante a entrevista, Samuel Rodrigues explicou que na companhia do Padre Egídio, embarcaram juntos para Foz do Iguaçu, no Paraná, onde receberam por meio de doação da Receita Federal os aparelhos eletrônicos.

Por meio de nota, a defesa do padre Egídio de Carvalho disse que não vai se pronunciar sobre as denúncias feitas por Samuel Segundo e que o padre está à disposição para colaborar com as investigações.

Relembre o caso

O escândalo no Hospital Padre Zé veio à tona no mês passado, após uma denúncia de furto de celulares no local. Os equipamentos haviam sido doados pela Receita Federal para o hospital e deveriam ter sido vendidos em um bazar beneficente para angariar recursos para o hospital.

Porém, os celulares foram furtados e vendidos e as investigações apontam para o envolvimento do Padre Egídio de Carvalho, que era diretor-presidente da unidade, e do ex-funcionário Samuel Segundo.

Em meio ao escândalo do furto dos celulares, o padre Egídio de Carvalho Neto, renunciou ao cargo de presidente do Hospital Padre Zé.  O pedido foi aceito pelo arcebispo Dom Manoel Delson. Padre Egídio estava há mais de cinco anos à frente do hospital, fundado há quase 90 anos. Além de estar na gerência da unidade, ele também atuava como pároco da Igreja Santo Antônio, cargo do qual também renunciou.

Furto de meio milhão

No último dia 2, a Justiça autorizou o bloqueio de contas e a quebra de sigilo bancário de Samuel Segundo. O pedido de quebra de sigilo e bloqueio foi feito pela delegada Karina Torres, da Polícia Civil, conforme apurou o ClickPB, e contou com ‘prints’ de conversas de Samuel negociando a venda de iPhones e outros itens.

A delegada aponta que “restou evidenciado, com fulcro na investigação, que Samuel Segundo incorreu no delito de furto qualificado, causando o prejuízo de R$ 525.877,77 (quinhentos e vinte e cinco mil, oitocentos e setenta e sete reais e setenta e sete centavos), referente aos produtos furtados no interior do Hospital Padre Zé.”

Operação do Gaeco

No último dia 5, o padre Egídio de Carvalho foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão da operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado do Ministério Público do Estado da Paraíba (Gaeco). Conforme apurou o ClickPB com exclusividade, além do pároco outras pessoas da administração do hospital também foram alvos. 

Entre estas pessoas está a diretora administrativa do hospital, Jannyne Dantas e a tesoureira da unidade hospitalar filantrópica, a Amanda Duarte. Segundo apurou o ClickPB, na ocasião, a operação tem como objetivo apurar os fatos que indicam possíveis condutas criminosas ocorridas no âmbito do Instituto São José, do Hospital Padre Zé e da Ação Social Arquidiocesana (ASA).

Saiba mais

COMPARTILHE

Bombando em Notícias Policiais

1

Notícias Policiais

Homem é preso acusado de arremessar panela e óleo quente em direção à esposa, na Paraíba

2

Notícias Policiais

Empresário preso suspeito de matar jovem de 15 anos na Paraíba fica em silêncio durante interrogatório

3

Notícias Policiais

Caso Up Garden: Polícia indicia cantor e dono de casa de shows que desabou em João Pessoa

4

Notícias Policiais

Adolescente de 15 anos morta com disparo de arma de fogo é velada em Monteiro; suspeito do crime é o companheiro de 56 anos

5

Notícias Policiais

Motorista de aplicativo é encontrado morto com mais de 10 tiros na Grande João Pessoa