UFC

Giga Chikadze parabeniza Edson Barboza, e agora quer disputa de cinturão ou luta contra Holloway

Invicto no UFC, com sete vitórias em sete lutas, georgiano compara sua luta com brasileiro a duelo de ninjas no jogo Mortal Kombat: "Sub-Zero contra Scorpion".

Por

A vitória sobre Edson Barboza na luta principal do UFC no último sábado, a maior da carreira de Giga Chikadze, o georgiano almeja voos ainda mais altos. Em entrevista exclusiva ao Combate, Chikadze reiterou o seu desafio a Max Holloway para a sua próxima luta, mas garantiu que seu verdadeiro objetivo é a disputa do cinturão.

- Se o Max quiser, nós vamos lutar. Mas eu quero disputar o cinturão. Esta foi a minha sétima vitória seguida, e eu acho que é a caminhada mais rápida da divisão - não estou nem há dois anos no UFC e sempre aceitei todas as chances que o UFC me deu, nunca recusei nenhuma luta. Ganhei os bônus nas minhas últimas três lutas. Chegou a hora de lutar pelo título.

Analisando a luta com Barboza, Chikadze brincou dizendo que a luta foi um duelo digno do jogo "Mortal Kombat", e analisou que ambos os lutadores tiveram suas chances de vencer nos dois primeiros rounds, mas no terceiro ele conseguiu capitalizar melhor para sair com a vitória.

- Estar no octógono com Edson Barboza definitivamente foi como estar no Mortal Kombat. Era como se fôssemos dois ninjas, talvez Sub-Zero e Scorpion se enfrentando. Ele veio muito forte, e eu senti que estava enfrentando um dos caras mais fortes do peso-pena. E quando você vê que é Edson Barboza que está na sua frente, ouve as pessoas torcendo por ele e o nome dele sendo anunciado, mesmo se ele fosse pequeno, se tornaria grande com tudo isso. Mas eu sou um profissional, controlei as minhas emoções e aproveitei o momento. No primeiro round eu acho que causei problemas para ele em alguns momentos, mesmo com ele tomando a iniciativa do combate e eu contra-atacado. Eu tive um momento de superioridade, mas deixei passar. No segundo round foi ele quem teve a chance, e desperdiçou. No terceiro round eu tive a minha chance e novamente e capitalizei com um belo nocaute.

Segundo Chikadze, mesmo com Barboza tendo atacado-o com força, a estratégia traçada pelo seu treinador, o brasileiro Rafael Cordeiro, e as orientações dadas nos intervalos foram responsáveis pela sua vitória.

- Eu senti alguns chutes fortes. Esse cara era conhecido, antes da nossa luta, como o melhor trocador e o dono do melhor chute, e era isso que eu esperava dele. Ele enfrentou alguns dos melhores do peso-leve, então eu esperava que ele fosse muito forte. Mas fizemos o nosso trabalho. Rafael Cordeiro me disse algumas vezes para seguir fazendo o que tinha feito até ali, porque eu estava indo bem e só precisava controlar as minhas emoções e me movimentar bastante, para nunca ficar parado de frente para Edson. Meu boxe e meus chutes estavam funcionando, e eu só precisava ser preciso. E eu fui.


Fonte: Combate.com

Comentários (0)

Comentar

Destaques

ver blog →

Treinador de Aspen Ladd se desculpa por postura com a atleta na luta com Norma Dumont

Maryia Agapova explica desafio a Maryna Moroz: "Ela tentou destruir a minha carreira"

Após morte de ex-lutador órgão regulatório diz que eventos de boxe sem luvas não seguem o mínimo de regras médicas

McGregor revela que UFC 257 vendeu mais de 1,5 mi em pay per view