UFC

Próximo desafiante ao cinturão do LFA, brasileiro credita volta por cima a conselho de Anderson Silva

Após três derrotas, Maycon Mendonça, parceiro de equipe de Spider, se credencia à disputa de título ao emplacar quatro vitórias: "Assisto aos 'highlights' dele antes de lutar para pegar a magia".

Por

As três derrotas seguidas, entre maio de 2017 e janeiro de 2018, fizeram Maycon Mendonça refletir se o seu destino estava no MMA. A falta de confiança o deixava pensativo, com vontade de abandonar a carreira e buscar outra alternativa para sustentar a família. A maré, no entanto, virou: do ano passado até este mês, ele emplacou quatro vitórias consecutivas - a última com um nocaute sobre Devin Smith, pelo LFA 90, na sexta-feira, e garantiu a vaga de próximo desafiante ao cinturão do peso-meio-médio. E o responsável pela volta por cima atende pelo nome de Anderson "Spider" Silva.

Em entrevista ao Combate.com, Maycon Mendonça, que há três anos mora em Los Angeles (EUA), conta que algumas palavras ditas por Anderson Silva, em 2018, na academia Black House foram capazes de fazê-lo acreditar novamente em seu potencial. Ele recuperou a confiança e, pela primeira vez desde 2016, saiu do cage com a vitória, em janeiro do ano passado, no LFA 58.

- Fui parar no fundo do poço, pensei em desistir várias vezes. Eu achava que não ia vencer nunca mais. Nesse período difícil, eu estava treinando, e o Anderson, sem saber de nada, falou: "Bicho, você é novo. Entrei com 31 anos no UFC. Você tem muita carreira ainda, tem talento, vai longe". Depois disso eu emplaquei minha vitória. Essa confiança que peguei do Anderson, de ter sido sparring dele no camp para a luta dele contra o Adesanya. O Anderson sempre dedica um tempo para me aconselhar, ensinar uma técnica. Pensei: "Estou treinando com o melhor de todos os tempos, vou dar a volta por cima. Se ele está falando que eu posso, eu posso".

- Ele virou a minha chave. Tomei o que ele falou como verdade e fui para dentro. Depois daquele camp com ele, minha vida mudou. Eu assisto aos "highlights" (melhores momentos) dele antes de lutar, no hotel. É um ritual para pegar a magia dele (risos). É gratificante estar perto dele e poder aprender. Ele é o cara - afirmou Maycon, que vai integrar o camp de Anderson Silva, adversário de Uriah Hall, no UFC marcado para 31 de outubro, em Las Vegas (EUA).

Após nocautear Devin Smith e carimbar o passaporte para enfrentar o atual campeão dos meio-médios do LFA, Jaleel Willis, até o fim deste ano. Dono de um cartel formado por dez vitórias e quatro derrotas, o brasileiro acredita que poderá anotar o quinto nocaute da carreira diante do americano.

- Eu já estou assistindo aos vídeos do campeão. Ele é um wrestler, que até aceita trocar, mas não acredito que irá para a trocação comigo. Defendo bem as quedas, é uma luta boa para mim. Vou quebrá-lo no meio, machucá-lo e, sem pressa, vou construir o nocaute - apostou o atleta, natural de Rio das Ostras (RJ).

O sonho de conquistar o cinturão do LFA representa, também, uma porta de entrada rumo ao UFC. E ser contratado pelo maior evento de MMA do mundo significa uma vida confortável para a esposa e para os dois filhos.

- O cinturão é tudo o que eu procuro, meu filho me cobra muito (risos). O título vai mudar a minha vida, tenho que levá-lo para casa. O que eu quero vem depois do cinturão, que é entrar no UFC e dar uma vida boa à minha família. O meu foco é total. Treino na Black House com atletas do evento, sei que estou nesse nível. Sou um dos melhores lutadores do peso-meio-médio fora do UFC. No dia que eu chegar, vou brigar lá em cima e fazer barulho.

Fonte: Combate.com

Comentários (0)

Comentar

Destaques

ver blog →

Leon Edwards testa positivo para Covid-19 e luta contra Khamzat Chimaev é cancelada

Campeã olímpica e mundial de boxe, Claressa Shields assina com a PFL para estrear no MMA

Após finalizar no primeiro round, Anderson Berinja pede vaga no card de McGregor x Poirier

"Quem vende mais ingressos recebe o title-shot", diz Derrick Lewis antes de luta contra Blaydes